VARIEDADES

Roger Waters diz que está na ‘lista de mortes’ da Ucrânia

Published

on

Roger Waters, cofundador do Pink Floyd, foi supostamente colocado em uma “lista de morte” ucraniana depois de se manifestar contra a intromissão militar ocidental e pedir a Kiev que faça as pazes com a Rússia.

Em entrevista à Rolling Stone publicada na terça-feira (4), o homem de 79 anos rebateu as acusações de que ele está repetindo os discursos russos sobre o conflito na Ucrânia. “Não se esqueça, estou em uma lista de assassinatos que é apoiada pelo governo ucraniano. Estou na porra da lista, e eles mataram pessoas recentemente… Quando eles te matam, eles escrevem ‘liquidado’ na sua foto. Bem, eu sou uma daquelas fodidas fotos.”

Waters deu o exemplo de Darya Dugina, a jornalista russa assassinada em agosto depois de aparecer na lista de Mirotvorets ucranianos . Como o músico observou, sua entrada na lista foi marcada como “liquidada” depois que ela foi morta em um carro-bomba. Outros que questionaram ou criticaram o regime de Kiev, como os fotojornalistas Andrea Rocchelli da Itália e Andrei Stenin da Rússia, também foram mortos depois de aparecer na lista de Mirotvorets. O site lista informações pessoais em seus alvos da lista negra, que também incluem políticos e ativistas de ONGs. 

Mirotvorets, ou “Pacificador”, é um banco de dados independente de indivíduos que moderadores anônimos consideram ameaças à segurança nacional ucraniana. O site nega ser uma lista de morte; em vez disso, afirma ser uma fonte de informação para agências de aplicação da lei e “serviços especiais” sobre terroristas pró-Rússia, separatistas e criminosos de guerra, entre outros. Ele supostamente tem ligações com o Ministério do Interior da Ucrânia.

Waters provocou reação no início deste ano, quando sugeriu que o presidente dos EUA, Joe Biden, era um “criminoso de guerra” por alimentar a crise na Ucrânia e enviou uma carta aberta à esposa do presidente ucraniano Vladimir Zelensky, pedindo que ela ajudasse a “parar o massacre”. pressionando por um acordo de paz negociado com a Rússia. Mais tarde, ele enviou uma carta aberta ao presidente russo, Vladimir Putin , pedindo garantias de que a Rússia não se expandiria além da Crimeia e da região de Donbass.

Pressionado pela Rolling Stone sobre por que ele não apoia a resistência da Ucrânia contra as forças russas, Waters disse: “Porque é uma guerra desnecessária, e essas pessoas não deveriam estar morrendo. E a Rússia não deveria ter sido encorajada a invadir a Ucrânia.” Ele também descartou relatos de crimes de guerra russos na Ucrânia como propaganda ocidental.

Comentários

VARIEDADES

Acumulada novamente, Mega-Sena terá prêmio de R$ 100 milhões

Published

on

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do Concurso 2.714 da Mega-Sena, sorteadas nesta quinta-feira (18), no Espaço da Sorte, em São Paulo (SP). Esta é a nona vez seguida que o prêmio fica acumulado.

Os números sorteados foram: 16 – 17 – 42 – 45 – 52 – 57

Com isso, o prêmio da faixa principal para o próximo sorteio, no próximo sábado (20), está estimado em R$ 100 milhões.

A quina teve 78 apostas ganhadoras e cada uma vai receber R$ 49.552,51. Já a quadra registrou 4.882 apostas vencedoras, e cada ganhador receberá um prêmio de R$ 1.131.

As apostas para o próximo concurso podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

G10 Favelas defende alternativas para apurar condutas de policiais

Published

on

O líder comunitário Gilson Rodrigues, do bloco de empreendedores sociais G10 Favelas, defendeu nesta quinta-feira (18) que a população possa ter uma alternativa à polícia para apurar denúncias de condutas de agentes da corporação, com o acompanhamento de investigações a partir de outros órgãos. A afirmação foi uma reação ao caso do menino de 7 anos de idade que teve um olho ferido em meio a um tiroteio, em Paraisópolis, na capital paulista, na manhã desta quarta-feira (17). 

A versão da Polícia Militar é a de que a criança não foi atingida por uma bala disparada por sua equipe, que teria trocado tiros com criminosos, no momento em que o menino e a mãe passavam pela Rua Ernest Renan. Moradores da comunidade afirmaram que, depois do ocorrido, os policiais procuraram estojos de munição que ficaram pelo chão. A suspeita é de que os agentes de segurança os recolheram para evitar que a perícia confirmasse que a bala que feriu o garoto saiu de uma das armas da corporação. 

A Polícia Militar argumentou que os agentes estavam facilitando o trabalho da Polícia Técnico-Científica, ao indicar o lugar onde o projétil foi encontrado, e informou ontem, em coletiva de imprensa, que os agentes não serão afastados de suas funções.

A ideia proposta por Rodrigues tem sido disseminada por outras pessoas, nas redes sociais, como possível forma de se coibir a violência policial praticada contra membros de comunidades periféricas. Nas postagens, os grupos também pedem, com frequência, a desmilitarização das polícias.

“Vamos ficando reféns dos dados que a própria polícia, o Estado fornece. Dados produzidos a partir do que as percepções que eles estabelecem. Ontem, por exemplo, as imagens que apareceram ou aparentemente mostravam eles procurando cápsulas na rua. A justificativa era de que estavam fazendo marcações. Como se confronta uma situação dessa, se eles são os detentores dos dados?”, pondera o líder de Paraisópolis, salientando que não se trata de um caso isolado.

“Essa guerra [contra as drogas] não é nossa. Estão querendo promover uma guerra em Paraisópolis na qual as balas perdidas acham um destino, que são os inocentes, que são as crianças, mulheres, pessoas que estão segurando o dia a dia. Essa briga de polícia e bandido não nos interessa”, declara.

“A população que vive na favela não sonhou em viver na favela. Os nordestinos que vieram da Bahia, Pernambuco, Piauí e que moram hoje em Paraisópolis vieram com o sonho de transformar sua vida, dar educação aos filhos e ajudar os que ficaram, mas, devido à ausência do Estado, acabam se colocando naquela condição de violência, de vulnerabilidades com relação a emprego. Quando a gente vê ações como essa, a gente percebe que é o mesmo de sempre voltando a acontecer de maneira recorrente, virando páginas de jornais nos primeiros dias, mas que, daqui a pouco, passa, as pessoas esquecem e a justiça não é feita”, completa, citando o episódio conhecido como Massacre de Paraisópolis, que aconteceu em dezembro de 2019 e teve a primeira audiência somente em julho de 2023 e a segunda em dezembro de 2023.

O advogado André Lozano, que representa a família de Paraisópolis, disse à Agência Brasil que o garoto ainda não teve alta médica e permanece no Hospital do Campo Limpo. Hoje ele deveria ser submetido a uma tomografia. “Por enquanto, não temos nenhum laudo, mas as informações dos médicos é de que não haverá lesão permanente no olho”, adicionou Lozano, que ressaltou que a família ainda irá definir os detalhes de um eventual processo judicial contra o Estado.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Published

on

A escritora Roseana Murray, de 73 anos, recebeu alta nesta quinta-feira (18) do Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, onde estava internada desde que foi atacada por três cães da raça pit bull enquanto caminhava na cidade de Saquarema, no litoral fluminense, em 5 de abril. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro confirmou à Agência Brasil que a escritora já deixou o hospital.

Roseana foi gravemente ferida pelo ataque e teve o braço e a orelha direita arrancados pelos animais. Ela ainda foi arrastada pelos cães por cerca de 5 metros.

Durante sua internação, a escritora homenageou os servidores do hospital com um poema, que precisou ser ditado a sua irmã, Evelyn Kligermann. Roseana se referiu ao hospital como um lugar onde todos são anjos. 

Um anjo varreu a tristeza da casa.

Com suas asas feitas

de alguma coisa que não conhecemos.

Varreu como varrem ruas e praças.

Juntou tudo em suas mãos,

soprou, soprou, soprou.

Em outro texto, Roseana comparou os cães que a atacaram a Cérbero, cão de três cabeças que habitava o mundo dos mortos na mitologia grega. Ao sobreviver, ela diz se sentir “meio mulher selvagem”.

Escritora Roseana Murray, de 73 anos, atacada por pitbulls, tem alta do Hospital Estadual Alberto Torres, Foto: Divulgação/HEAT

Escritora Roseana Murray, atacada por pitbulls, tem alta do Hospital Estadual Alberto Torres, Foto: Divulgação/HEAT

“Me lembro do mito de Cérbero, o cachorro de três cabeças que tomava conta da passagem dos recém-mortos para o outro mundo. Eles eram ferozes e ninguém os vencia. Os três cachorros que me atacaram pareciam Cérbero, o cão de três cabeças, prontos para me levar para a morte. Não conseguiram. Estou viva, mas, como no livro que lemos no Clube da Casa Amarela Escute as Feras, de Nastassja Martin, a história da mulher que foi atacada por um urso, lutou e venceu, e no final, é uma mulher meio humana meio ursa, eu também me sinto meio humana meio mulher selvagem, porque venci”.

Os donos dos cães, Kayky da Conceição Dantas Pinheiro, Ana Beatriz da Conceição Dantas Pinheiro e Davidson Ribeiro dos Santos, chegaram a ser detidos, mas receberam habeas corpus e aguardam o julgamento em liberdade. Eles perderam temporariamente a tutela dos animais apreendidos e estão proibidos de adquirir outros animais domésticos.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente