POLÍTICA

Secretaria de Habitação começa mutirão de regularização fundiária no bairro Novo Mato Grosso

Published

on

POLÍTICA

Deputado quer candidatura própria e critica baixaria e fofoca nas eleições

Published

on

botelho e diego.jpg

 

O deputado Diego Guimarães (Republicanos) disse que seu partido, comandado pelo vice-governador Otaviano Pivetta, ainda não declarou apoio oficial a nenhum pré-candidato à Prefeitura de Cuiabá e por isso seu nome ainda está à disposição para disputar o pleito deste ano. Ele destacou ainda os feitos da atual gestão do Paiaguás sob o comando do ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, que na visão dele é uma das maiores lideranças do estado.

“Eu acredito que o grupo do Republicanos, capitaneado pelo Pivetta, tem bons exemplos de gestão em seu histórico pessoal porque a gestão Mauro Mendes não é só ele, o Mauro tem suas qualidades, sua capacidade de gestão, mas quem vive no Paiaguás sabe que o Pivetta é um dos grandes responsáveis pelo sucesso dessa gestão. É isso que acredito que Cuiabá precisa hoje, debater ideias e soluções e não pessoas”, declarou na última terça-feira (21) ao Jornal da Cultura FM.

A troca de gentilezas ocorreu após o vice-governador dizer que que Diego é um bom quadro caso a sigla resolva lançar algum candidato para concorrer ao Alencastro. “Estamos conversando, o Diego é uma jovem revelação. Acho que consenso não existe em partido ou lugar nenhum, mas ele se mostra como um bom quadro, tem um brilhante futuro e vamos aguardar”, elogiou Pivetta.

Apesar do elogio, a tendência é que o partido apoie a candidatura do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (UB), que tem como maior “cabo eleitoral” o governador Mauro Mendes (UB). Diego, porém, enfatizou que a legenda ainda não declarou apoio a nenhum candidato de forma oficial.

“Fico feliz com uma fala dessas, a gente tem discutido, tenho colocado meu nome à disposição do  partido e eu sei que é uma construção que hoje está bem polarizado em três candidatos. Sei que o diretório municipal tem uma inclinação em caminhar com o Botelho, mas eu ainda acredito que Cuiabá precisa de um debate mais rico”, apontou Guimarães.

O parlamentar avalia que a população cuiabana quer uma dose de razoabilidade, bom senso e novidade e não de continuísmo para o sucessor do atual gestor, Emanuel Pinheiro (MDB). “Infelizmente o que a gente vê no cenário político de Cuiabá ainda é o debate de pessoas, um falando mal do outro, dizendo que o outro não presta e aqui fica a reflexão para aqueles que vão disputar: a população está cansada e quer saber quem vai resolver os problemas da cidade”, alertou o legislador.

Questionado sobre quem irá apoiar, Diego declarou que irá seguir a orientação de sua sigla, no entanto pontuou que antes quer debater para ouvir as propostas de todos e entender o que a cidade tem a ganhar com cada candidatura. “Não podemos fazer eleição de oba-oba. Não é porque Botelho é apoiado pelo Mauro Mendes que ele merecer ser prefeito. Se ele quer mesmo o que ele tem a oferecer para nossa cidade? Quais são as ações que ele pretende implementar? Definido o melhor projeto, ai o Diego tende a seguir a escolha que o partido vier fazer”, encerrou. 

VICE – Na última segunda-feira (20), o presidente da Fecomércio (Federação do Comércio de Mato Grosso), José Wenceslau Júnior, o “Júnior da Verdão”, afirmou estar à disposição do Republicanos, e preparado para ser o vice na chapa de Eduardo Botelho. Em entrevista ao Jornal de Meio Dia, da TV Vila Real, o proprietário da rede de lojas de construção Verdão ressaltou seus 43 anos no ramo empresarial e disse que a capital merece term “bons gestores”. 

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Após desvios, MP pede que Exército entregue doações em Eldorado do Sul

Published

on

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) solicitou que o Exército assuma a entrega de doações às vítimas da enchente na cidade de Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul, após uma operação deflagrada no sábado (25) apontar desvios dos donativos por integrantes da Defesa Civil municipal.

Eldorado, que fica na região metropolitana de Porto Alegre, foi uma das mais afetadas pelas enchentes que atingem o estado desde o fim de abril. Da população total de 39.556 habitantes, cerca de 32 mil tiveram que sair às pressas, como numa guerra, e 100% da área urbana da cidade foi atingida pela água.

Desvios de doações

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do MPRS cumpriu nove mandados de busca e apreensão contra três agentes públicos. Pelo menos dois deles são pré-candidatos às eleições deste ano no município. Os itens estariam sendo desviados para beneficiar futuros eleitores dos investigados.

“Os mandados foram cumpridos nas casas dos suspeitos, na prefeitura e em depósitos da cidade que foi completamente inundada. Foram apreendidos celulares, documentos, dinheiro, entre outros”, informou o MPRS.

Horas depois da operação, o órgão recebeu aval do procurador-geral de Justiça do RS, Alexandre Saltz, e se reuniu com a prefeitura e o Exército para que os militares assumam, com urgência, o recebimento, controle e distribuição de donativos à população. O principal objetivo é evitar que moradores fiquem desatendidos de suprimentos básicos durante a investigação do MPRS.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Estado pagará empresa que levou calote de posto envolvido em esquemas

Published

on

combustiveis.jpg

 

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Cuiabá, Flávio Miraglia, determinou que o Governo do Estado pague R$ 38,2 mil à uma empresa que levou um “calote” da Marmeleiro Auto Posto e da Saga Tecnologia, organizações que “terceirizaram” uma licitação vencida em 2011. Tanto a Marmeleiro quanto a Saga já foram alvos da Operação Sodoma, que prendeu o ex-governador Silval Barbosa em 2015.

A decisão que determinou o pagamento é do último dia 17 de maio. Nos autos, a empresa que levou o calote conta que realizou um credenciamento junto à Marmeleiro para o fornecimento de combustíveis – objeto da licitação feita pela Secretaria de Administração (SAD), vencida pela Marmeleiro e pela Saga, em 2011.

A Marmeleiro, porém, deixou de repassar à empresa combustíveis fornecidos no ano de 2013, que totalizavam R$ 38,2 mil à época. Um acordo chegou a ser ajustado, porém, a “empresa caloteira” não formalizou o negócio.

“Houve uma tentativa de resolver a questão amigavelmente com a 2ª requerida com a elaboração e envio de uma minuta de acordo, que não foi assinada. Frente à inércia das requeridas e à impossibilidade de resolver a questão administrativamente, a autora ingressou com a presente demanda”, diz trecho do processo.

Na decisão, o juiz Flávio Miraglia reconheceu não só o direito da empresa receber o valor pelo serviço prestado, como também certificou que o próprio Governo do Estado tinha responsabilidade no pagamento em razão da falta de fiscalização dos gastos públicos.

“Embora a Secretaria de Administração tenha realizado os repasses à Marmeleiro Auto Posto Ltda e à Saga Comércio e Serviços, Tecnologia e Informática Ltda, não houve uma fiscalização adequada para assegurar que a Marmeleiro Auto Posto Ltda pagasse a autora pelos combustíveis fornecidos. Esta omissão caracteriza a culpa in vigilando, pois a Administração Pública falhou em seu dever de garantir a correta aplicação dos recursos públicos”, analisou o magistrado.

Os R$ 38,2 mil ainda serão acrescidos de juros e correção monetária a partir de 2011.

SODOMA

A quarta fase da operação Sodoma investigou fraudes em licitações por uma suposta organização criminosa em contratos celebrados entre as empresas Marmeleiro Auto Posto e Saga Tecnologia e Informática, entre os anos de 2013 a 2014. No período, o governador de Mato Grosso era Silval Barbosa.

Segundo investigações da Delegacia Fazendária (Defaz-MT) ambas as empresas foram utilizadas pela organização criminosa para desvios de recursos públicos e recebimento de propina. Elas utilizavam-se de duas importantes pastas – as antigas secretarias de Administração (atual Seplag), além da de Transporte e Pavimentação Urbana (hoje Sinfra).

As duas empresas, juntas, teriam recebido aproximadamente R$ 300 milhões em contratos com o Governo do Estado entre os anos 2013 a 2014 em licitações supostamente fraudadas. Políticos e membros do 1º e 2º escalão da gestão do ex-governador Silval Barbosa teriam “comprovado” o consumo fictício de combustíveis que promoveram desvios da ordem de R$ 5.132.500,00.

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente