VARIEDADES

Jornalista da EBC, Mara Régia é indicada ao Prêmio Mulher Imprensa

Published

on

Entre os dias 27 e 30 deste mês, a cidade de Afuá, no Pará, no Arquipélago do Marajó, se prepara para o Festival do Camarão. É tempo não só de celebrar as tradições, mas também de refletir sobre os cuidados com o Rio Amazonas, de onde sai o sustento para os mais de 37 mil moradores do lugar.  “O rio é tudo para a gente. Vivemos em uma ilha”, diz a professora do município, Marciléia Brito, que também é ativista ambiental. A cada festival, a educadora recorda de forma especial de uma aliada que ela conheceu de longe, pelas ondas do rádio, a jornalista Mara Régia di Perna, da Rádio Nacional, emissora da Empresa Brasil de Comunicação – EBC

A professora vibrou depois que soube que Mara foi indicada, esta semana, ao Prêmio Mulher Imprensa, na categoria Radiojornalismo. Marciléia já avisou à comunidade sobre a novidade.

Em 2017, ela mostrou aos alunos que a jornalista falava de temas fundamentais para a vida de todos eles, inclusive da sustentabilidade da pesca do camarão e da coleta seletiva. Lutas contra a contaminação e a favor da conscientização comunitária em alto e bom som por microfones de Brasília, aparentemente distantes, mas que ficavam pertinho. 

“Uma pessoa de tão longe abraçar a luta e as causas da Amazônia fez com que eu me inspirasse na Mara também para abraçar a luta pela natureza”, diz Marciléia. Naquele ano, Mara Régia visitou Afuá. Foi recebida com balões, abraços, perguntas e palavras de gratidão. “Ela chegou”, gritaram os alunos quando viram a lancha que transportava a jornalista.

Incentivo

Eles conheciam Mara pela Rádio Nacional e pelo que estudaram na escola municipal. “Nós estudamos a vida de Mara justamente para incentivar alunos dessa nova geração a também proteger e abraçar a causa da nossa Amazônia”, relatam. A professora testemunha também que muitos deles já chegaram à faculdade e carregam idealismo e sonhos nascidos na época de escola.

Para a jornalista, que completará 72 anos de idade em setembro, gestos como esse são inesquecíveis como um prêmio de vida. Não foram raros em sua carreira. Em 42 anos na programação da EBC  (com Viva Maria e Natureza Viva), Mara foi mais de 180 vezes para lugares remotos da Amazônia para contar histórias, aprender e também ajudar na conscientização de questões ambientais, sociais e de gênero. 

“Foi uma experiência linda, inesquecível que eu tive em Afuá, onde os alunos da professora Marciléia estavam cantando ‘que bom que você veio’. Foi emocionante também quando fui comemorar o aniversário da Lei Maria da Penha com as vítimas de violência, em Xinguara, no interior paraense. Esses encontros com a audiência do programa são inesquecíveis”, opina. 

Reconhecimentos

As sensações que a jornalista experimenta há mais de quatro décadas são, para ela, reconhecimentos imateriais  e estão emoldurados em sua memória. Mas a profissional é também formalmente uma das mais premiadas da história da imprensa do Brasil, com mais de 30 troféus, placas e diplomas de instituições brasileiras e internacionais. Um dos mais recentes foi o Prêmio Audálio Dantas, em 2021, pelos serviços prestados à radiodifusão no Brasil.

Mesmo com carreira reconhecida, Mara Régia ficou emocionada quando recebeu a notícia de que era uma das indicadas ao 17º Prêmio Mulher Imprensa, na categoria Radiojornalismo. “Foi uma surpresa e tanto. Não esperava. Ter o trabalho reconhecido é sempre maravilhoso”. Em 2016, ela foi indicada para o mesmo troféu na categoria de âncora. 

Nessas mais de quatro décadas, o Viva Maria caminha para a marca de 10 mil programas e já superou a marca de 20 mil horas no ar.

“As histórias dessas mulheres são a razão da minha vida”, garante a jornalista. Ela guarda histórias como a de uma menina que foi vendida em Aripuanã do Norte (MT), que havia sido vendida pelo pai três vezes. E ela pediu ajuda pelo rádio para proteger as irmãs. “Uma história dilacerante. Graças a uma rede que formamos com entidades como a Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi) conseguimos chamar o Conselho Tutelar para salvar a menina”, recorda.

Transformação

Para ela, o reconhecimento na carreira está vinculado à transformação que se promove na vida das pessoas que entram em contato com o trabalho da jornalista. Quando o programa comemorou 40 anos de história, por exemplo, teve retorno de pessoas que ajudaram no percurso, como das vítimas de escalpelamento [perda do couro cabeludo e dos cabelos) na Amazônia. 

“Todas as ações da campanha realizadas na rádio resultaram na compra de máquinas para que elas fizessem perucas. São muitas mulheres que resgataram sua autoestima”, afirma. 

Inclusive, a jornalista – como bolsista da Fundação MacArthur – desenvolveu por quatro anos o Projeto Mulher nas Ondas do Rádio, Corpo de Alma para romper o silêncio para a sexualidade e saúde reprodutiva junto às mulheres da floresta. 

Utilidade pública

Outra experiência transformadora recente que ela elenca aconteceu em 2019, quando houve a liberação recorde de uso de agrotóxicos no Brasil. Ela colheu depoimentos sobre a nova matança por envenenamento das abelhas e ouviu cientistas sobre os efeitos no cerrado e na Amazônia

O espírito inventivo e corajoso não se alterou com o passar do tempo. Mara Régia, que também é professora de Jornalismo, deixa encantados os alunos com suas histórias de vida. Tanto que costuma ser tema de estudos de alunos de graduação, mestrado e doutorado. 

Os sonhos ainda são os mesmos. O que ela mais deseja é poder trabalhar mais e garantir visibilidade para comunidades amazônicas no programa Natureza Viva e também no Viva Maria. “Eu sempre entendi a comunicação como um serviço de utilidade pública. Uma conquista, se eu tenho o que dizer, é chegar a essa minha idade à frente dos microfones com muita força, raça e fé”, finaliza.

 

Via: Agência Brasil

Comentários

VARIEDADES

Virada Cultural atrai 4,5 milhões de pessoas, diz prefeitura de SP

Published

on

A Virada Cultural da capital paulista atraiu um público recorde de 4,5 milhões de pessoas e teve um impacto econômico estimado em R$ 100 milhões, segundo dados da prefeitura de São Paulo.

Realizada neste fim de semana, a Virada Cultural mudou nos últimos anos, com redução do número de palcos, de atrações e a duração: de um evento com 35 palcos e 1,2 mil atrações em 2019, para 12 arenas, com 22 palcos e 600 atrações culturais em 2024. Além disso, apenas os dois palcos instalados no Vale do Anhangabaú, na região central da capital, tiveram duração de 24 horas. Antes da atual administração municipal, o evento propunha que todos os palcos tivessem programação ininterrupta, inclusive durante a madrugada. 

Para a prefeitura, no entanto, a Virada Cultural deste ano foi um sucesso, conseguindo inclusive arrecadar 10 toneladas de donativos para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul. Em solidariedade à população aos gaúchos, neste ano a prefeitura transformou a Virada Cultural na Virada da Solidariedade, instalando tendas de coleta em todas as 12 arenas de shows, em cada acesso de entrada. A contribuição foi voluntária.

Os itens foram recolhidos no fim do evento e levados para o Banco de Alimentos da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. A logística de distribuição, informou a prefeitura, ainda está sendo acertada com os municípios mais atingidos do Rio Grande do Sul.

Na edição deste ano, a Virada Cultural promoveu shows musicais de Joelma, Léo Santana, Pabllo Vittar, Gloria Groove, Maria Rita, Lenine e Raça Negra, entre outros.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

RS: Anac autoriza voos comerciais em base aérea de Canoas

Published

on

A base aérea de Canoas, localizada na região metropolitana de Porto Alegre, vai passar a receber voos comerciais. A autorização foi dada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e espera apenas publicação no Diário Oficial da União para valer.

A informação foi confirmada pela Fraport Brasil, empresa que administra o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. A companhia diz que recebeu autorização para operar cinco voos diários com chegada e saída de Canoas e que está trabalhando para viabilizar as operações no local, no transporte tanto de passageiros quanto de cargas.

O uso da base aérea, a princípio, é temporário e deve durar até a regularização do aeroporto de Porto Alegre e o fim do estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul.

Suspensão de voos

O Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, está fechado por tempo indeterminado, com todas as operações suspensas, desde o início do mês. A medida foi tomada para garantir a segurança de funcionários e passageiros diante do estado de calamidade provocado pelas chuvas fortes que atingiram o Rio Grande do Sul. As instalações do aeroporto e a pista de pouso foram inundadas.

Foi criada uma malha aérea emergencial no interior, para atender a população que precisa acessar as cidades gaúchas ou sair do estado. Foram retomados voos regionais com destino a Santa Maria, Uruguaiana, Caxias do Sul, Passo Fundo e Santo Ângelo.

Também foi criada na semana passada uma rota de ônibus para ligar o aeroporto de Florianópolis até Porto Alegre. O consórcio que opera o aeroporto da capital catarinense começou a operar uma malha emergencial com seis viagens diárias, sendo três saídas de cada cidade.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

RS: prefeitura de Roca Sales estuda realocar cerca de 40% da população

Published

on

A prefeitura de Roca Sales (RS), no Vale do Taquari, estuda propor a transferência de milhares de moradores e comerciantes da área central da cidade para outro ponto do território municipal menos sujeito aos efeitos adversos das chuvas, como enchentes, alagamentos e inundações.

“Hoje, praticamente todo o centro da cidade está em uma área alagável, próxima ao Rio Taquari […] Precisamos reconstruí-lo em um local com menor probabilidade de alagamentos, pois já deu para perceber que esses problemas vêm ocorrendo com cada vez mais frequência”, disse à Agência Brasil o secretário municipal de Administração e coordenador da Defesa Civil municipal, Silvio Zart, referindo-se às cheias deste mês, as mais severas da história da cidade.

Segundo Zart, todos os cerca de 10,4 mil habitantes de Roca Sales foram, de alguma forma, prejudicados pela catástrofe socioambiental que, em todo o estado, afetou mais de 2,33 milhões de pessoas, causando ao menos 157 mortes e deixando 88 desaparecidos e 76.188 desabrigados – números contabilizados até o meio-dia de hoje (20).

Só em Roca Sales, foram registradas dez mortes. Os reflexos das chuvas também comprometeram as obras que a prefeitura vinha realizando para reparar os danos das cheias de setembro de 2023, agravando os danos à infraestrutura local.

De acordo com Zart, entre 3,5 mil e 4 mil pessoas moram e/ou trabalham na área central da cidade. A realocação, ainda que complexa e desafiadora, é vista como uma medida crucial para dar segurança à população e evitar novas tragédias.

“Pretendemos discutir isso com a população em geral e com as empresas afetadas. É um trabalho muito severo, mas que precisará ser feito porque é preciso ter em mente que, em apenas oito meses, algumas dessas áreas foram atingidas por ao menos três grandes cheias do Rio Taquari”, destacou Zart.

Na última sexta-feira (17), o prefeito de Roca Sales, Amilton Fontana, e outros integrantes do Poder Executivo municipal apresentaram a alguns empresários locais uma primeira versão do projeto de transferir estabelecimentos para um local a cerca de 4 quilômetros de distância da região central.

Segundo Fontana, a proposta de recriar o Distrito Industrial busca “oferecer um espaço seguro para a realocação/instalação de empreendimentos de pequeno, médio e grande porte, de modo que estes possam prosseguir com as atividades que já desenvolvem no município”. Ainda de acordo com Fontana, o novo ponto receberá toda a infraestrutura necessária para possibilitar os investimentos privados.

“Hoje, o município não dispõe dos recursos [financeiros] necessários para custear sozinho toda esta empreitada, mas alguém vai ter que dar início a este trabalho que vai ser longo”, destacou Zart à Agência Brasil. “Acredito que muitas pessoas já estão conscientes da necessidade de uma medida semelhante. Até porque ninguém merece viver com essa apreensão ou passar por algo assim. Algo que, na cidade, ocorreu mais de uma vez em meses. O que indica que poderemos ter a quarta, a quinta cheia”, finalizou Zart.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente