VARIEDADES

Afegã grávida acampada no aeroporto é levada a hospital por voluntário

Published

on

Com dores, dificuldades para se comunicar e sem qualquer assistência dos governos municipal, estadual ou federal, uma afegã grávida de quase nove meses e que chegou ao Brasil neste domingo (16) precisou contar com ajuda de voluntários para poder ser encaminhada, no início da tarde, a um hospital público de São Paulo.

Fugindo do radical regime do Talibã, que assumiu o poder no Afeganistão em 2021, a afegã grávida chegou ao Aeroporto Internacional de Guarulhos com o marido e uma filha pequena. De posse do visto humanitário concedido pelo governo brasileiro, mas sem acesso à assistência quando chega no Brasil, ela passou a noite no aeroporto, dormindo em colchonetes iguais aos que são usados em academias de ginástica e que são fornecidos por voluntários. E fez as refeições que são distribuídas aos afegãos pela Prefeitura de Guarulhos.

Nesta segunda-feira, com dores, ela buscou o apoio de Aline Sobral, uma das fundadoras do Coletivo Frente Afegã, que tem atuado de forma voluntária com os afegãos que chegam ao Brasil. Sem falar qualquer palavra em português e nem mesmo conseguindo se comunicar em outra língua que não a sua, a afegã (cujo nome será preservado por medo de ameaças) utilizou o tradutor instalado no celular para dizer o que estava sentindo.

Guarulhos (SP) 17/07/2023   - Afegã gravida de nove meses (e),  procura atendimento no ambulatório do aeroporto que não tem condições de atende-la. Acompanhada por voluntaria procura um transporte para o Hospital das Clínicas.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Afegã gravida procura atendimento no ambulatório do Aeroporto de Guarulhos – Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Foi então que Aline procurou a Prefeitura de Guarulhos para ver se conseguiria um apoio para levá-la ao hospital. Mas não obteve sucesso.

Houve também a tentativa de buscar atendimento no serviço médico de emergência do próprio Aeroporto de Guarulhos. “No posto não tem aparato para coisas de parto. Eles nos indicaram ir para o hospital. Mas a secretaria [de Saúde] de Guarulhos não tem como mandar um carro, porque sabemos que a demanda deve ser grande”, informou Aline Sobral. “Ela teve outra contração enquanto estava sendo atendida no posto”, acrescentou.

Com todas essas negativas, a voluntária decidiu chamar uma rede de apoio para ajudar a afegã grávida. Ela entrou em contato com Aretusa Chediak, médica do Instituto do Coração (Incor) e fundadora da organização não-governamental Além-fronteiras – Rebuilding Lives, que também tem atuado de forma voluntária para ajudar os afegãos que chegam ao aeroporto. Foi Aretusa quem conseguiu acionar o Hospital das Clínicas de São Paulo para receber a grávida. Ela também deu dinheiro para que Aline pudesse chamar um Uber para que a afegã, o marido e a filha pudessem ser levados do Aeroporto de Guarulhos até o Hospital das Clínicas, em uma corrida que custou R$ 64,94.

A reportagem da Agência Brasil, que visitou o aeroporto no início da tarde desta segunda-feira, acompanhou todo o sofrimento da afegã. Desde o momento em que ela comunicou à voluntária Aline Sobral sobre o seu estado, até o momento em que elas foram procurar ajuda no posto de atendimento de emergências do aeroporto, até a grande espera pelo Uber. Sofrimento que durou ao menos 2 horas, até que um Uber finalmente aceitasse a corrida e que a grávida conseguisse chegar ao Hospital das Clínicas, em Pinheiros, na capital paulista, onde estava sendo aguardada.

Guarulhos (SP) 17/07/2023  - Afegãos seguem acampados no Aeroporto de Guarulhos aguardando acolhimento.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Afegãos seguem acampados no Aeroporto de Guarulhos aguardando acolhimento – Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil

“Será que uma mulher, em trabalho de parto, não é motivo suficiente para mandar uma ambulância?”, questionou Aline Sobral. “Ninguém mandou [a ambulância]. Ela está aqui há meia hora esperando o carro do Uber chegar. E o Uber já cancelou [a corrida] seis vezes. E há um risco dela parir por causa da demora. Tentei falar com a prefeitura, que é a única a quem a gente tem acesso. Não temos acesso nem ao governo federal e nem ao estadual. O único que está aqui para ouvir a gente é a prefeitura. E a prefeitura disse que não consegue atender porque não tem carro suficiente. E eu entendo eles”, disse.

Ao chegar ao hospital, a afegã grávida pode finalmente ser atendida e amparada. “Ela chegou agora [por volta das 14h45] e acabou de entrar para a triagem. Agora que vamos saber maiores detalhes. Ela está apreensiva, chorosa. Ela quer que a gente espere mais cinco dias [para o parto] porque todos os outros partos dela foram normais e ela tem certeza que, se esperarmos mais cinco dias, o parto será normal. Ela não quer fazer cesária”, disse a médica Aretusa Chediak, em entrevista à Agência Brasil.

Mais tarde, por volta das 16h, Aretusa comunicou à Agência Brasil que a triagem mostrou que a gestante não estava em trabalho de parto, como se supunha inicialmente, mas não era possível ainda precisar com quantas semanas de gravidez ela estava.

“O HC está tentando um ultrassom ainda hoje para ver essa maturidade e vitalidade do bebê. Pelo ultrassom dá para ter estimativa de quantas semanas ela está. Ela não está em trabalho de parto. Não sabemos precisar com quantas semanas ela está. Ela diz que faltam cinco dias para ela completar 40 semanas. Mas essa é uma fala dela. Aparentemente ela está em uma gravidez avançada”, disse a médica, acrescentando que está buscando um abrigo para a grávida ficar.

Histórico

Desde 2021, quando os radicais do Talibã assumiram o poder, milhões de afegãos têm deixado o país para fugir de um regime que viola seus direitos. O Brasil, por exemplo, passou a se tornar destino de parte desses afegãos quando foi publicada uma portaria interministerial, em setembro de 2021, autorizando o visto temporário e a residência por razões humanitárias.

Desde então, eles começaram a desembarcar no Brasil mas, sem conseguirem acesso a uma política pública de acolhimento, ficam desemparados, contando com apoio de voluntários e da Prefeitura de Guarulhos, que tem contribuído com alimentos e buscado encontrar vagas em abrigos municipais, que são insuficientes para atender a todos eles.

Guarulhos (SP) 17/07/2023  - Afegãos seguem acampados no Aeroporto de Guarulhos aguardando acolhimento.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Afegãos seguem acampados no Aeroporto de Guarulhos aguardando acolhimento – Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil

Surto de sarna

Após vários desses afegãos terem sido acometidos por um surto de sarna no aeroporto em junho deste ano, o Ministério da Justiça e Segurança Pública decidiu enviá-los para uma colônia de férias do Sindicato dos Químicos, na Praia Grande. No entanto, muitos afegãos continuam desembarcando quase que diariamente no Aeroporto Internacional de Guarulhos e, sem uma política preestabelecida de atendimento, eles continuam montando suas barracas no local.

Nesta segunda-feira, por exemplo, segundo a Prefeitura de Guarulhos, haviam 23 afegãos vivendo no Aeroporto de Guarulhos. Os voluntários disseram que a situação agora é um pouco melhor do que meses atrás, já que há menos afegãos vivendo no aeroporto e por menos dias.

“No sábado tinham 62 pessoas. E nesse mesmo dia, quatro famílias foram acolhidas. Mas, no mesmo dia, chegaram 55 pessoas”, disse Aline Sobral, em entrevista à Agência Brasil. “Continuam chegando afegãos e eles continuam ficando no aeroporto. E até agora, nada de efetivo foi feito”, acrescentou. “Agora está mais rápido o acolhimento. Eles não ficam aqui mais de sete dias. A média tem sido entre três e quatro dias. Mesmo assim, eles continuam ficando [no aeroporto], sem banho”, acrescentou.

Para Aline, o ideal seria que os refugiados tivessem um lugar definitivo para serem acolhidos. “Mas se tivesse alguma coisa emergencial, que tivesse o mínimo como um banho ou uma cama, seria ótimo para eles. Hoje eles não têm nada. Temos hoje só a prefeitura [de Guarulhos] fazendo essa recepção e a gente [voluntário] entrega uma manta e um colchão. E é só. Aqui não é um lugar para eles ficarem. Ficar em aeroporto é surreal”.

“Houve um certo benefício [com a ida de alguns afegãos para a Praia Grande], mas nossa preocupação é que não temos a quantidade exata de refugiados que ainda vão chegar”, disse o voluntário Hosnir Badawi, do Coletivo Frente Afegã. “A situação não foi resolvida. Ela ainda é bem complicada e preocupante. Precisamos de uma parceria. A prefeitura [de Guarulhos] não tem como arcar com isso sozinha. O que se necessita nesse momento, se pudesse ocorrer, é justamente um local específico para recebê-los. Isso iria diminuir muito os problemas que eles enfrentam. Você chega como refugiado e espera, de imediato, ter algum tipo de acolhimento para te dar muita tranquilidade. Mas isso não está sendo feito. As organizações estão fazendo o possível, mas precisa ter uma força tarefa maior”.

Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Justiça ainda não se manifestou sobre a situação da grávida. O aeroporto de Guarulhos e o governo de São Paulo também não se manifestaram, até o momento.

Já a prefeitura de Guarulhos informou que as equipes do Posto Avançado de Atendimento Humanizado ao Migrante, que fica no aeroporto, têm ciência sobre a gestante que se encontra lá, “mas não foi informada sobre ela ter entrado em trabalho de parto”.

“Essa informação só chegou até nós por meio desta demanda. De acordo com os registros, a gestante chegou hoje ao aeroporto. Como manda o protocolo, assim que o novo grupo chegou, os governos federal e estadual foram avisados para juntos iniciarmos a busca por vagas, que já foi encontrada. Antes de ser encaminhada, a gestante passará por consulta médica para se certificar de que está tudo bem para seguir para o acolhimento”, diz a prefeitura, que acrescentou que não houve chamado para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Via: Agência Brasil

Comentários

VARIEDADES

RS suspende aulas em três cidades por causa de previsão de chuvas

Published

on

O governo do Rio Grande do Sul anunciou a suspensão das aulas nas próximas segunda-feira (27) e terça-feira (28) nas cidades de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande. A medida foi adotada por causa da previsão de fortes chuvas nos próximos dias. 

“Em virtude da previsão meteorológica de mais chuva e em consonância com as redes municipais de educação, estamos suspendendo as aulas na rede estadual nos municípios de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande na segunda e terça-feira dessa semana”, informou o vice-governador Gabriel Souza, nas redes sociais. 

Na capital gaúcha, as escolas, públicas e privadas, estão fechadas para os alunos desde sexta-feira (4) em razão da volta dos temporais na cidade. 

Previsão do tempo

O estado teve um final de semana de trégua nas chuvas fortes. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o estado permaneceu neste domingo na zona amarela, de risco potencial. Nesta segunda, no entanto, a previsão é de chuva desde de manhã. A temperatura deve ficar entre 9 e 16 graus Celsius (ºC).

A região costeira e os municípios do sul do estado entram em situação de perigo. Na região sul, a previsão é de chuvas intensas, com risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas. Nas regiões litorâneas, o aviso é de intensificação dos ventos, que poderão movimentar dunas de areia sobre construções na orla. As condições devem perpetuar até o início de terça-feira (28).

Escolas e alunos afetados

De acordo com levantamento do estado, divulgado neste domingo (26), 246.437 estudantes ainda não voltaram às aulas por causa das enchentes que devastaram o estado, o número corresponde a 33% de todos os estudantes. No caso de  91.324, não há data de retorno prevista. 

Em seis cidades, a volta às aulas está suspensa desde a última sexta-feira (24). São elas: Porto Alegre, São Leopoldo, Estrela, Guaíba, Santana do Livramento e Gravataí. 

No total, conforme os dados, 1.065 escolas em 205 municípios foram afetadas de algum forma pela tragédia: sofreram danos, estão funcionando como abrigos ou têm problemas de transporte e acesso. Elas são responsáveis por 381.231 estudantes. 

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

Com fim de semana de trégua, chuva deve voltar ao RS nesta segunda

Published

on

A Defesa Civil Municipal de Porto Alegre emitiu um alerta preventivo diante da possibilidade de chuvas intensas que podem prolongar os alagamentos já existentes na capital gaúcha. A previsão é que a chuva e os ventos atinjam a região a partir da madrugada de segunda-feira (27) e se estendam até a noite.

De acordo com o órgão, a previsão é a que a precipitação fique entre 50 e 100 milímetros por dia e os ventos entre 60 e 100 quilômetros por hora (km/h), o que poderá causar transbordamentos de arroios e deslizamentos de encostas, além do risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores e de descargas elétricas.

A Defesa Civil Municipal alertou ainda sobre o alto risco de deslizamentos, processos erosivos e rolamento de blocos em áreas suscetíveis amanhã (27). Segundo o órgão municipal, podem ocorrer escorregamentos, rupturas de taludes e quedas de barreiras. “A população que reside em áreas de risco deve observar quaisquer alterações nas encostas. Em caso de sinais de instabilidade, os moradores devem procurar abrigo temporário junto a parentes ou amigos, ou utilizar as estruturas de acolhimento disponibilizadas pela prefeitura via 156”, orientou em nota.

Alerta para o estado  

O estado teve um final de semana de trégua nas chuvas fortes. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o estado permaneceu neste domingo na zona amarela, de risco potencial. Nesta segunda, no entanto, a previsão é de chuva desde de manhã. A temperatura deve ficar entre 9 e 16 graus Celsius (ºC).

A região costeira e os municípios do sul do estado entram em situação de perigo. Na região sul, a previsão é de chuvas intensas, com risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas. Nas regiões litorâneas, o aviso é de intensificação dos ventos, que poderão movimentar dunas de areia sobre construções na orla. As condições devem perpetuar até o início de terça-feira (28).

Em função da previsão que indica chuvas entre os dias 27 e 28 de maio, a Defesa Civil do estado do Rio Grande do Sul alertou, desde a última sexta-feira (24), para possíveis extravasamentos da calha e respostas rápidas de rios menores, arroios e córregos onde a chuva apresenta elevada intensidade. 

A orientação é para quem mora em áreas ribeirinhas ou próximo de locais com histórico de alagamento, procurar um local seguro para permanecer. Informações específicas devem ser consultadas à Defesa Civil de cada município. Em caso de emergência, ligar 190 (Brigada Militar) e 193 (Corpo de Bombeiros).

As aulas da rede pública, tanto nas escolas estaduais quanto nas redes municipais, foram suspensas nos municípios de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande na segunda e terça-feira. Na capital, também, de acordo com o governo do estado, foi determinada a suspensão de aulas na rede privada.

Situação no estado

Segundo balanço divulgado neste domingo (26) pelo órgão, o Rio Grande do Sul contabiliza 169 mortes provocadas pelas fortes chuvas e as enchentes desde o fim de abril. O estado registra ainda 56 desaparecidos e mais 806 pessoas feridas. [LINK: ]

Após vários dias sem chuva, a capital gaúcha registrou, ao longo de toda a última quinta-feira (23), precipitação prolongada e intensa. Com isso, ruas e avenidas ficaram alagadas e alguns bairros, sobretudo no centro-sul e sul da cidade, que haviam secado após as enchentes do início do mês, voltaram a ficar inundados. Os moradores tiveram de ser retirados de suas casas

Neste final de semana, o governo do estado divulgou que o nível do Guaíba, em Porto Alegre, baixou 16 centímetros no período das 19h de sexta-feira (24) até as 6h de sábado (25). Até as 8h de sábado, a medição de 4,16 metros (m) se mantinha. A cota de inundação no local é de 3m.

Porto Alegre (RS), 23/05/2024 – CHUVAS/ RS - ENCHENTES -A casa do Dentista Brígido Ribas ficou alagada no bairro de Cavalhadas em Porto Alegre. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Moradores do bairro de Cavalhadas em Porto Alegre tiveram que sair de casa. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

VARIEDADES

Ceará: universidade desenvolve tecnologia para captar hidrogênio verde

Published

on

O Laboratório de Mecânica da Fratura e Fadiga (LAMEFF) da Universidade Federal do Ceará (UFC) criou tecnologia mais barata e renovável para extrair hidrogênio verde, considerado uma fonte energética alternativa aos combustíveis fósseis, como petróleo e carvão, que provocam aquecimento global.

Em pesquisa de doutorado no Programa de Engenharia e Ciências Materiais da UFC, o físico Santino Loruan criou uma membrana de quitosana para uso em eletrolizadores que separam na água (H2O) as moléculas de hidrogênio do oxigênio. O hidrogênio vira gás combustível e pode ser usado como fonte de energia.

A membrana de quitosana é feita a partir da casca de camarão ou de caranguejo, fartamente encontrada no litoral brasileiro, e substitui uma membrana sintética (nafion) importada e de custo mais elevado. Diferente da membrana nafion, a membrana de quitosana não polui o ambiente quando descartada.

Brasília (DF) 24/05/2024 - Membrana Quitosana no laboratório de Mecânica da Fratura e Fadiga da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Foto: LAMEFF/UFC

Membrana Quitosana no laboratório de Mecânica da Fratura e Fadiga da Universidade Federal do Ceará – LAMEFF/UFC

Na pesquisa, o eletrolizador foi ativado com uso de energia limpa (energia solar), o que tornou todo o processo ambientalmente sustentável e por isso o combustível gerado é chamado de “hidrogênio verde”. Ao ser gerado por energia solar, o hidrogênio se torna um vetor energético de fonte limpa.

Brasília (DF) 24/05/2024 - Eletrolisador  no laboratório de Mecânica da Fratura e Fadiga da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Foto: LAMEFF/UFC

Eletrolisador no laboratório de Mecânica da Fratura e Fadiga da Universidade Federal do Ceará – LAMEFF/UFC

Conforme o engenheiro Enio Pontes de Deus, coordenador do LAMEFF e orientador de Santino Loruan, “o hidrogênio, na verdade, não tem cor nenhuma. É um gás inerte e incolor, o elemento mais abundante na atmosfera. Ele é verde porque é obtido com fonte renovável.”

A membrana de quitosana foi patenteada pela Universidade Federal do Ceará. “Nós patenteamos essa membrana. Hoje ela é um produto, uma tecnologia nacional, que entra no mercado, e passa a competir com outras membranas”, descreve Enio Pontes.

A invenção da membrana será uma das inovações apresentadas na Conferência Internacional das Tecnologias das Energias Renováveis (Citer), que ocorre de 3 a 5 de junho, em Teresina (PI).

A conferência reunirá 180 palestrantes de diversos países, em 45 painéis de formato híbrido (participações presenciais e remotas). A expectativa dos organizadores é que a conferência receba 10 mil pessoas, inclusive empresários que possam se interessar pela produção industrial da membrana criada na UFC e outras inovações brasileiras.

A entrada é gratuita. Além de empresários, pesquisadores e especialistas em energia renovável esperam atrair público leigo que possa ter interesse por ciência. “Nós precisamos dar acesso à população sobre a produção científica, para colaborar com a conscientização sobre a importância da ciência e da tecnologia para o desenvolvimento do país e para o desenvolvimento da humanidade”, defende Ana Paula Rodrigues, presidente do Instituto de Cooperação Internacional para o Meio Ambiente e uma das idealizadoras da conferência.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente