POLÍTICA

Concurso unificado: Justiça Eleitoral oferece mais 23 novas vagas

Published

on

A Comissão do Concurso Público Unificado da Justiça Eleitoral anunciou mudanças, no edital publicado no dia 29 de maio (Edital nº 1 – CPNUJE), que aumentam o número total de vagas no concurso de 389 para 412, um acréscimo de 23. As inscrições para o concurso começaram nesta terça-feira (4) e vão até o dia 18 de julho. As provas deverão ser aplicadas em 22 de setembro de 2024.

As alterações trazem a inclusão de cargos e/ou vagas nos Tribunais Regionais Eleitorais do Amazonas, da Bahia, de Mato Grosso do Sul e de Goiás, entre outras mudanças.

Onde consultar

O edital do certame pode ser consultado no Diário Oficial da União (DOU) e também na página do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), que é a banca organizadora do certame.

A solicitação de inscrição deve ser feita pelo site do Cebraspe e tem o valor de R$ 130,00 para quem quer concorrer ao cargo de analista judiciário e de R$ 85,00 para o cargo de técnico judiciário.

O candidato deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição por meio da Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança), disponível no site do Cebraspe. A GRU Cobrança deverá ser impressa, para o pagamento da taxa de inscrição, após a conclusão do preenchimento da ficha de inscrição on-line. O documento pode ser pago em qualquer banco, bem como nas casas lotéricas e nos Correios, obedecidos os critérios estabelecidos nesses correspondentes bancários.

O pagamento via Pix deve ser realizado por meio do QR Code apresentado na GRU Cobrança disponibilizada no endereço eletrônico. Confira mais informações sobre os procedimentos de inscrição no edital.

Outras modificações

Além disso, foram feitas revisões relacionadas à necessidade de retificação da jornada de trabalho (de 40 para 30 horas) do cargo de analista judiciário, especialidade Serviço Social. O novo edital também substitui a Resolução do TSE nº 21.538/2003 (revogada) pela Resolução TSE nº 23.659/2021, que dispõe sobre a gestão do Cadastro Eleitoral e sobre os serviços eleitorais, referentes ao conteúdo programático.

A retificação faz ainda alterações pontuais como a alteração do número de provas discursivas a serem corrigidas para o cargo de analista judiciário, especialidade Tecnologia da Informação, que passa de 30 para 300.

JV/LC, EM, DB

Fonte: TSE

Comentários

POLÍTICA

Frente Parlamentar pede informações sobre ações

Published

on

e0732934-0f28-40a6-9c34-af74e5814d5d.jpg

 

A Frente Parlamentar do Comércio de Bens e Serviços da Assembleia Legislativa (FPC) solicitou informações a diversos órgãos do Executivo de Mato Grosso, acerca do andamento das ações anunciadas para contemplar os comerciantes e moradores de Chapada dos Guimarães. Os questionamentos foram feitos pelos participantes de uma reunião, realizada na última semana, para tratar dos impactos socioeconômicos da interdição parcial da Rodovia MT-251, principal ligação do município a Cuiabá.

Foram encaminhados ofícios para a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), solicitando dados sobre a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no município; para a Secretaria de Infraestrutura (Sinfra), pedindo o prazo para a conclusão das obras na região do Distrito de Água Fria, a duração prevista das obras na MT-251 e a redução do pare-e-siga implantado na rodovia; e para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), requerendo informações sobre as linhas de crédito disponibilizado e o acesso a elas.

Coordenador-geral da FPC, o deputado Diego Guimarães (Republicanos) explica que com base nestas informações será possível compreender de forma clara a situação dos empresários e moradores de Chapada que, desde do fim do ano passado, convivem com os reflexos do deslizamento de pedras na MT-251, na região conhecida como Portão do Inferno.

“Durante a reunião, pudemos ouvir dos moradores de Chapada, dos empresários do município, as perguntas que precisam ser respondidas pelo Poder Público. Agora iremos atrás das respostas e, para além disso, que haja o socorro a estas pessoas que desde o fim de 2023 estão passando por sérios problemas, alguns empresários inclusive estão fechando as portas com a queda no número de visitantes”, pontuou o parlamentar.

O parlamentar defendeu que a atuação do Poder Público em Chapada dos Guimarães deve se dar por meio de três vertentes: socorro econômico, acesso ao município e alternativas de acesso durante o período de obras que gerem o menor impacto possível.

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Justiça determina reintegração de posse da Aldeia Maracanã ao estado

Published

on

O juiz José Arthur Diniz Borges, da 8ª Vara Federal do Rio de Janeiro, determinou a reintegração de posse do terreno do antigo Museu do Índio, ao lado do complexo esportivo do Maracanã, ao estado. O local, que contém a ruína de um prédio e um terreno anexo, é ocupado há alguns anos por famílias indígenas de diferentes etnias que chamam a área de Aldeia Maracanã.

Segundo o advogado Arão da Providência, que representa os indígenas da Aldeia Maracanã, o espaço é ocupado por representantes de povos originários desde 2006, com autorização da União, a quem pertencia o imóvel anteriormente.

Durante a preparação para a Copa do Mundo de futebol de 2014, o terreno da Aldeia Maracanã foi requisitado pelo governo do estado à Justiça, já que se previa a derrubada do prédio como parte da revitalização do estádio do Maracanã, que receberia jogos da competição, entre elas a partida final.

Em 2013, os indígenas e ativistas dos direitos humanos que os apoiavam foram retirados do imóvel, depois de uma tumultuada operação da Polícia Militar no local. A área foi reocupada pelas famílias após o término dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

De acordo com o advogado, a recente decisão judicial é, na verdade, o cumprimento uma sentença de anos atrás. Arão da Providência alega, no entanto, que há problemas no processo e que, por isso, já recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O advogado diz que um dos pontos seria a necessidade de intimação de todas as 23 lideranças indígenas que viviam no local, em 2013, muitos dos quais nem estão mais na Aldeia Maracanã, o que não aconteceu. “Essa citação que dá ciência às partes é de suma importância, porque ali você toma conhecimento da medida judicial que está sofrendo.”

Segundo o advogado, é que, no processo de 2013, o estado do Rio de Janeiro só havia pedido reintegração de posse de parte do terreno (1.500 metros quadrados). “Agora eles estão pedindo imissão de posse de tudo. Agora eles pedem os 14.300 metros quadrados”, informa.

Por meio de nota, o governo do estado do Rio informou que, desde 2016, tem decisão judicial favorável para a posse do imóvel localizado na área conhecida como Aldeia Maracanã que, no entanto, está ocupado irregularmente. “O Governo do Estado aguarda o prazo determinado pela Justiça para tomar as providências cabíveis para a reintegração do imóvel”, conclui o texto.

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Cacique reage contra ex-prefeito: “medíocre, fracassado e inexistente”

Published

on

juliocampos-zaeli

 

O deputado estadual Júlio Campos (UB) rebateu as críticas feitas pelo ex-prefeito de Várzea Grande, Tião da Zaeli (PL) contra a família Campos e seu “legado” político na cidade comandada por eles e por aliados políticos nas últimas décadas. Nesta terça-feira (18), o cacique classificou o empresário como um “político fracassado”, “administrador medíocre” e “inexistente”. Zaeli é será ovice na chapa da pré-candidata e advogada Flávia Moretti (PL). 

Ele já foi prefeito da cidade por um ano e dois meses ao assumir o Paço Couto Magalhães no lugar de Murilo Domingos em 2011 e renunciou em outubro de 2012 logo após não conseguir ser reeleito. O ex-gestor revelou que deixou o cargo por estar sendo chantageado e extorquido pela Câmara de Vereadores

“Essas críticas partidas do ex-prefeito, um grande empresário, mas um político fracassado, que vem constantemente querendo aparecer. Ele não tem proposta, foi um administrador medíocre, ficou um ano e meio como prefeito e dois anos e meio como vice-prefeito e secretário de várias secretarias na gestão do Murilo Domingos, e querendo viabilizar uma candidatura praticamente inviável”, disparou o ex-governador. 

Questionado sobre a revelação de que o ex-gestor teria sido chantageado e extorquido, o parlamentar declarou que quem deve explicações é o empresário. “Olha, ele que tem que esclarecer, ele nunca esteve no nosso grupo, nunca foi nosso amigo pessoal, temos um bom relacionamento empresarial, até comercial, mas essa história de extorção eu não tenho conhecimento disso”, garantiu. 

Por fim o cacique alfinetou Zaeli e sua pré-candidata à Prefeitura de Várzea Grande, a advogada Flávia Moretti, prevendo que os dois terão uma votação pífia no pleito deste ano. “Ele não teve chance de candidatar, lançou uma advogada e vai ter a votação como sempre a oposição teve em base a grande minoria de votos. Ele é um mega empresário, homem rico, de sucesso, bom para negociar, mas, politicamente, inexiste”, encerrou. 

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente