POLÍTICA

Juiz Eduardo Moraes assume a 31ª Zona Eleitoral em MT

Published

on

juiz carlos eduardo moraes

 

O juiz Carlos Eduardo de Moraes e Silva assumiu a titularidade da 31ª Zona Eleitoral de Mato Grosso, com sede em Canarana, nesta quinta-feira (6). O magistrado, que já estava respondendo em caráter temporário como juiz eleitoral desde novembro de 2023, agora assume a vaga titular em substituição à juíza Ângela Maria Janczeski Goes, em face de sua remoção para outra comarca.

O novo titular da 31ª ZE possui vasta experiência, tendo atuado não só como juiz eleitoral da 16ª Zona Eleitoral, em Vila Rica, da 57ª Zona Eleitoral, em Paranatinga e da 26ª Zona Eleitoral, em Nova Xavantina, como também foi servidor da Justiça Eleitoral em Minas Gerais e Goiás.

“Gosto muito da Justiça Eleitoral, sei que não existe experiência suficiente porque há mudanças constantes, com novas resoluções a cada eleição. Tenho participado de constantes capacitações, porque cada pleito exige essa atualização. Minha maior preocupação é com o eleitorado, é fazer com que a população vote de forma livre, consciente e ponderada. No meio de tantas situações envolvendo disseminação de informações falsas, é preciso focar em garantir o exercício do direito ao voto, pois a soberania popular é a forma plena de as pessoas terem voz e vez”, ressaltou o juiz Carlos Eduardo de Morais e Silva.

O processo de seleção de juiz eleitoral da 31ª ZE foi regido pelo Edital nº 7- SRMJE/CP/SGP/2024, publicado no DJE nº 4.112, de 19/04/2024. O prazo para inscrição foi de 22/04/2024 a 26/04/2024.

Além de Canarana, a 31ª Zona Eleitoral é responsável pelo município de Ribeirão Cascalheira, totalizando 24.695 pessoas aptas ao voto.

Fonte: Folhamax

Comentários

POLÍTICA

PGR defende no STF tornar réus acusados do assassinato de Marielle

Published

on

A Procuradoria-Geral da República (PGR) reafirmou nesta terça-feira (18) denúncia apresentada no Supremo Tribunal Federal (STF) contra quatro acusados de participar diretamente do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

A reiteração foi feita durante sessão da Primeira Turma da Corte, colegiado que julga na tarde de hoje o recebimento da denúncia.

Durante a sessão, o subprocurador Luiz Augusto Santos Lima defendeu que devem virar réus por homicídio e organização criminosa Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Chiquinho Brazão, deputado federal (Sem partido-RJ), o ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa e Ronald Paulo de Alves Pereira, conhecido como Major Ronald. Todos estão presos. 

Organização

O subprocurador acusou os irmãos Brazão de integrarem uma organização criminosa e de terem ligação com a milícia que atua em Rio das Pedras, no Rio de Janeiro, além do envolvimento com grilagem de terras em terrenos na zona oeste. 

Para o representante da PGR, os Brazão decidiram determinar a execução da vereadora após encontrarem resistência dela e do PSol para aprovar projetos de lei na Câmara de Vereadores em prol da regularização das terras de interesse de seu grupo. 

“Não há dúvida de que as dificuldades na tramitação dos projetos, sobretudo, o elevado risco de rejeição, somados com o histórico de conflitos com o PSol, de Marielle, recrudesceram o descontentamento dos irmãos Brazão”, afirmou. 

O subprocurador acrescentou que Rivaldo Barbosa foi acionado pelos irmãos para auxiliar no assassinato e que Major Ronald realizou o monitoramento dos passos da vereadora antes do crime. 

O próximo passo do julgamento será a manifestação das defesas dos acusados. 

O julgamento será decidido pelos votos do relator, ministro Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Cármen Lucia, Luiz Fux e Flávio Dino.

Os irmãos Brazão e os demais acusados se tornarão réus pelo homicídio de Marielle se três dos cinco ministros se manifestarem a favor da denúncia da PGR

Via: Agência Brasil

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Republicanos veta Wellaton e exige médico na vice de Botelho

Published

on

wellaton e maysa .jpg

 

A vereadora Maysa Leão (Republicanos) retirou seu nome para compor como vice na chapa do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (UB) à prefeitura de Cuiabá neste ano. Ela avalia que o partido possui outros bons nomes como o do médico Marcelo Sandrin, principalmente para ajudar no estado caótico em que a Saúde pública se encontra.

Disse ainda, que a sigla está dividida em lançar ou não o nome do deputado Diego Guimarães (Republicanos) ao palácio Alencastro. “Essa possibilidade de ser vice foi retirada porque eu preciso focar na minha pré-campanha de vereadora e o nosso nome é Marcelo Sandrin. Temos a tenente-coronel Hadassa, mas a diferença é que ele é um nome mais forte pelo fato de Cuiabá ter um grande problema na Saúde e a gente sabe que pela experiência dele com o SUS. Seria um nome para compor e ajudar na principal dor de Cuiabá”, explicou à imprensa nesta terça-feira (17).

Na última semana, o deputado Diego Guimarães e o vereador Eduardo Magalhães “ameaçaram” deixar o arco de alianças de Botelho e lançar um candidato próprio caso ele escolhesse o ex-secretário adjunto de Turismo, Fellipe Wellaton, para vaga. Wellaton teria deixado o Republicanos e migrado para o PRD sem “dar satisfação” a nenhuma liderança.

A posição de Wellaton gerou revolta dos, agora, ex-correligionários. “Ontem, na reunião isso foi um acordo tácito (verbal). O Wellaton estava no Republicanos. Se ele fosse um vice nosso,teria 100% do nosso apoio. É um amigo pessoal meu, mas a gente tem que entender que um partido que não tem chapa e nem tempo de televisão e só um homem não condiz com o que entendemos de política que é grupo”, alfinetou.

Diante desse cenário, a hipótese de ter candidatura própria, segundo Maysa Leão, é estudada. “Muitos querem continuar com Botelho e alguns querem chancelar a candidatura do deputado Diego Guimarães. A gente vai chegar num denominador comum porque está empatado e o presidente Eduardo Magalhães deixou claro que a decisão será da chapa e não de líder partidário”, afirmou. 

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Maysa Leão descarta ser vice de Botelho, médico entra na disputa pela vaga

Published

on

2024 é agora

Redação do rufandobombonews 

Uma reviravolta ocorreu no Partido Republicanos em Cuiabá em relação às eleições de 2024. Em uma entrevista concedida à imprensa nesta manhã, a vereadora Maysa Leão anunciou que retirou seu nome da disputa pelo cargo de vice na chapa do candidato a prefeito Eduardo Botelho, do União Brasil. Até então, Maysa  tinha  apoio para sua indicação como vice, especialmente porque Botelho vem sinalizando  que a vice será uma mulher. No entanto, uma reunião no Diretório Municipal dos Republicanos decidiu retirar Maysa dessa corrida, permitindo que ela concentre seus esforços em seu projeto de reeleição como vereadora da capital.Com a saída de  Leão, o nome que agora ganha força dentro dos Republicanos para ocupar o cargo de vice na chapa de Botelho é o do médico Marcelo Sandrin. Marcelo Sandrin é conhecido em Cuiabá por seu trabalho como um dos sócios do hospital Maternidade Santa Helena e por sua atuação na área de saúde. Ele tem colaborado há algum tempo na elaboração de um plano de governo focado na saúde para a campanha de Eduardo Botelho.

 

Fonte: Rufando o Bombo

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente