POLÍTICA

Emanuel rebate Botelho; “só na empresa dele que R$ 15 mi é pouco para tapa-buracos”

Published

on

emanuel e botelho.jpg

 

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), rebateu o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União), que ironizou o programa de tapa-buracos da prefeitura ao custo de R$ 15 milhões. O deputado chegou a dizer que R$ 15 milhões tapa- buraco “de um dente só”.  

“Se fosse a empresa dele aí sim. R$ 15 milhões é pouco. Por isso eu não deixei, eu pedi que não fosse feito com a empresa dele. Pedi que fizesse com empresa que acha que R$ 15 milhões é muito dinheiro”, respondeu Emanuel Pinheiro durante evento.  

Segundo ele, já é possível perceber a redução dos buracos na cidade e que, em até 60 dias, concluirá a recuperação das ruas da cidade. “Empresa que trabalha com zelo, com responsabilidade, é dinheiro demais e dá para fazer muito e vou provar isso”, completou.  

Emanuel Pinheiro também negou dívidas milionárias da prefeitura com empreiteiras da família do deputado. “Dívidas normais, como qualquer outra empresa. São tantas empresas dele. Mas não deve esses valores que cogitam”, pontuou.  

Desde que foi escolhido como candidato a prefeito pelo União Brasil, Eduardo Botelho não poupa Emanuel de críticas. Segundo o parlamentar, sua campanha apresentará soluções para a cidade e em uma candidatura de oposição.  

Desde o lançamento do programa tapa-buracos em 24 de maio, a prefeitura aponta que já foram beneficiadas ruas e avenidas dos bairros Santa Cruz 1, Altos do Parque 1, Santa Rosa, Goiabeiras, Pedra 90, CPA 1 Jardim Universitário, Sonho Meu (região do Pedra 90), Altos do Parque e Avenida Antártica, sentido distrito do Sucuri. 

Apesar do que é dito pelo gestor, a população se queixa de ruas precárias em todas as regiões da Capital.

Fonte: Folhamax

Comentários

POLÍTICA

AL homenageia Inteligência da Sesp-MT

Published

on

AL homenageia Inteligência da Sesp-MT

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

VG recebe R$ 500 milhões em obras

Published

on

kalil_baracat_vg (1).JPG

 

“Estou fazendo o maior investimento já visto em saneamento buscando resolver o que era um problema crônico e que hoje é pontual em Várzea Grande. Nunca fugi deste debate, sempre fui muito cobrado e priorizei os investimentos em saneamento.”, afirmou o prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat (MDB) em entrevista nesta segunda-feira (17).

Em conversa no Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real, o emedebista afirmou que a melhoria na captação, tratamento e distribuição da água é resultado de um investimento sem precedentes na história da cidade, na gestão do saneamento básico.  São cerca de R$ 500 milhões, entre recursos próprios, convênios, emendas e financiamentos.

O que resultará em um novo cenário, de uma cidade que sofria com problema crônico de falta de água e crescia com menos de um terço do esgoto coletado e tratado. Para água produzida com capacidade para atender a toda zona urbana e mais de 60% do esgoto coletado. 

O prefeito Kalil Baracat lembrou na entrevista que já entregou duas Estações de Tratamento de Água (ETA), está finalizando uma terceira unidade, e em julho colocar em funcionamento um reator, da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), também em construção, que vai elevar de 30% para mais de 60% o percentual de coleta da cidade. E segue uma nova etapa de investimentos com ampliação e recuperação da rede de distribuição para a universalização da água.

“Prova dessa atenção total que essa gestão deu foi a redução da intermitência no abastecimento que já chegou a dez, oito dias. Agora chega a dois dias, dia sim, dia não, e tem regiões que têm água quase todos os dias.   Melhorou e melhorou muito. E essa evolução existe tanto na produção quanto na distribuição da água”, afirmou o prefeito emedebista em entrevista nesta manhã (17). 

 

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading

POLÍTICA

Ex-prefeito denuncia “afilhado de Pátio” ao TRE por fake news

Published

on

paulojose-adiltonsachetti.jpg

 

A juíza Aline Luciane Ribeiro Viana Quinto Bissoni, da 46ª Zona Eleitoral de Rondonópolis, julgou improcedente nesta segunda-feira uma representação por propaganda eleitoral negativa antecipada com desinformação feita pela Comissão Provisória do Republicanos na cidade. A ação havia sido proposta após falas do diretor-geral do Serviço de Saneamento (Sanear) do município, Paulo José Correia (PSB), que é pré-candidato a prefeito, contra o ex-deputado federal e ex-prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti (Republicanos).

O partido de Sachetti, que é cotado para ser vice na chapa em que o deputado estadual Thiago Silva (MDB) disputará a cidade, acusava o diretor da Sanear de tentar imputar a ele a responsabilidade pela demolição da residência de uma líder de bairro, conhecida com Dona Carmem, em 2008. A mulher é atualmente presidente do Residencial Dom Osório, em Rondonópolis, e Paulo José Correia afirmou que foi seu grupo político foi quem reconstruiu a casa da moradora.

A fala de Paulo José Correia, que é apoiado pelo atual prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio (PSB), se deu em um vídeo, onde ele comenta com uma outra pessoa a aliança formada entre Adilton Sachetti e o deputado estadual Thiago Silva. Nela, o diretor da Sanear acusa o ex-deputado federal de determinar a demolição da casa de “Dona Carmem”.

“Nós ganhamos a eleição da Adilton Sachetti, porque ele estava derrubando a casa da Dona Carmem, que hoje é presidente do Dom Osório. Ele mandou uma patrola ir lá e derrubar. Nós ganhamos a eleição, fomos lá e construímos a casa da Dona Carmem e hoje ela é presidente do dom Osório. Assim que nós trabalhamos”, afirmou Paulo José Correia, no vídeo.

De acordo com a defesa de Sachetti, a imputação se configura como calúnia em contexto eleitoral, afirmando que o apontamento é sabidamente falso. Na notícia-crime, o ex-deputado federal apontou que se a acusação fosse verdadeira, “a imprensa local e estadual estaria recheada de matérias”, assim como existiriam processos judiciais tratando sobre o tema, o que não existe.

Na decisão, a magistrada apontou que após a análise do conteúdo da gravação, verificou-se que não houve, em qualquer momento, pedido explícito de voto. Também não ficou comprovado que as pessoas que se encontravam naquela reunião seriam “potenciais apoiadores e cabos eleitorais”.

A magistrada ressaltou ainda que sequer era possível aferir a quantidade de pessoas presentes no local, apenas com a visualização do vídeo juntado aos autos. A juíza destacou que também não ficou comprovado que o conteúdo tenha maculado a igualdade de oportunidade entre os candidatos, aparentemente destinando-se apenas àquelas pessoas que se encontravam em aparente reunião privada, alcançada, nesta medida, pelo exercício da liberdade de expressão.

“Destarte, no caso em exame, verifico que não restou caracterizada a propaganda eleitoral extemporânea, devendo prevalecer a liberdade de expressão e opinião. As críticas a adversários políticos, mesmo que veementes, fazem parte do jogo democrático, de modo que a intervenção da Justiça Eleitoral, nesse ponto, somente deve ocorrer em caráter excepcional. À luz dos fatos e fundamentos acima delineados, julgo improcedentes os pedidos formulados na presente representação”, diz a decisão.

Fonte: Folhamax

Comentários
Continue Reading
Advertisement
Advertisement

SAÚDE

POLÍCIA

Advertisement

POLÍTICA

CIDADES

Advertisement

EDUCAÇÃO

ESPORTES

Advertisement

MATO GROSSO

ECONOMIA

Advertisement

GERAL

As mais quente