Política

Medeiros comemora cancelamento do leilão e reforça apoio à CPI

Published

on


O deputado federal José Medeiros (PL-MT) afirmou que a decisão do Governo Federal de suspender, nesta quarta-feira (3), a realização de um novo leilão para compra de arroz importado confirma as irregularidades denunciadas pela oposição.

 

Para Medeiros, essa medida reforça a necessidade de abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o escândalo do arroz, que resultou no cancelamento do primeiro leilão.

 

“Tem um ditado que diz que malandro, quando vê que vai cair, deita. De forma escandalosa, o governo usou a tragédia ocorrida no Rio Grande do Sul para comprar 1 milhão de toneladas de arroz importado, mas o que eles queriam mesmo era interferir no mercado de arroz, da mesma forma que interferiram na Petrobras e querem interferir no Banco Central. É um governo de interferência e de práticas obscuras. O cancelamento do leilão foi uma vitória significativa da Comissão de Agricultura da Câmara Federal, da oposição, dos produtores de arroz do país, do povo do Rio Grande do Sul e do povo brasileiro. Não é porque o governo desistiu do leilão que vamos abrir mão da CPI e deixar de investigar profundamente tudo isso. Queremos que os responsáveis por essas irregularidades sejam punidos”, comentou Medeiros, que é membro titular da Comissão de Agricultura e um dos líderes da oposição no Congresso Nacional.

 

Sobre a ausência do ministro-chefe da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta (PT), na reunião da Comissão de Agricultura nesta quarta-feira (3), Medeiros afirmou que essa atitude não surpreende, uma vez que o atual governo não tem compromisso com a verdade e com a licitude.

 

Diante da ausência do ministro, Medeiros e o presidente da Comissão de Agricultura, deputado federal Evair Vieira de Melo (PP-ES), decidiram apresentar um requerimento convocando Pimenta. Diferentemente do convite, a convocação da comissão obriga o ministro a comparecer à Câmara Federal.

 

“Como dizem, o PT quando não está mentindo, está roubando e vice-versa. No escândalo do arroz, sabemos que eles estão mentindo. Agora, queremos saber se eles estão roubando. Por isso, apresentei o requerimento convocando o ministro Pimenta e o ex-diretor de Operações e Abastecimento da Conab, Thiago José dos Santos, que também cancelou sua participação na comissão nesta quarta-feira”.

 

 

Além de Pimenta e Santos, Medeiros também solicitou a convocação do ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro (PSD).

 

“Quando o ministro Fávaro foi convidado para prestar esclarecimentos na Comissão de Agricultura, ele não respondeu a muitas perguntas. Veio com um roteiro ensaiado e ainda defendeu o leilão do arroz. Com a convocação de Fávaro, queremos esclarecer todos os fatos que foram omitidos e não respondidos pelo ministro. Além disso, há novos fatos que precisam ser explicados”, reforçou o deputado federal.





Fonte: Mídianews

Política

Sedec: Reforma é “perversa”, mas MT terá tempo para crescer

Published

on


O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), César Miranda, classificou como “perversa” a Reforma Tributária que está sendo regulamentada pelo Congresso Nacional. Ele, no entanto, acredita que até as mudanças estarem completamente implementadas, Mato Grosso será o maior estado do País, o que poderá amenizar os impactos negativos.

A reforma é muito perversa com estados como Mato Grosso, que é grande produtor

 

Recentemente a Câmara Federal aprovou o texto-base do primeiro projeto de lei complementar que regulamenta a reforma sobre o consumo. Dentre os detalhes está a isenção do imposto de qualquer tipo de carnes, peixes, queijos e sal.

 

“A reforma é muito perversa com estados como Mato Grosso, que é grande produtor e pouco consumidor”, afirmou.

 

Isso porque a reforma tributária prevê que o imposto será cobrado no destino, ou seja, no local do consumo, e não mais na origem e no destino, como atualmente.

 

A esperança, segundo César Miranda, é de que a implementação total da reforma só começará a valer em 2033, quando acabar a transição dos tributos atuais para o IVA (Imposto sobre Valor Adicionado).

 

Até lá, o secretário avalia que Mato Grosso deverá ser “o maior Estado do País”.

 

“O tempo de janela me dá uma tranquilidade que a reforma só irá começar a valer em 2033 e daqui para lá muita coisa vai acontecer. Até lá, Mato Grosso vira o maior Estado do Brasil”, afirmou.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Entenda nova versão do projeto que regulamenta reforma

 

Mendes: projeto que regula Reforma Tributária prejudicará MT

 

Mendes quer trava em percentual de IVA e maior compensação

 





Fonte: Mídianews

Continue Reading

Política

Gisela: “Perderemos muito se não investirmos em industrialização”

Published

on


A deputada federal Gisela Simona (União) afirmou que Mato Grosso será muito prejudicado pela Reforma Tributária se não incrementar a industrialização nos próximos anos.

 

Ficamos dependendo do conselho que terá soberania para definir alíquotas. Há uma expectativa que nada seja acima de 26,5%, mas há receio de que isso possa aumentar

Isso porque o texto prevê a tributação dos produtos no Estado que os consumirá. Dessa forma, Mato Grosso sairia perdendo por ser um estado produtor.

 

Gisela considera necessário um plano de industrialização a ser efetivado em médio e longo prazo para conter prejuízos econômicos.

 

“Concordo que Mato Grosso terá uma perda significativa, porque deixamos de receber o tributo com base naquilo que produzimos, mas com base naquilo que consumimos. Nós consumimos pouco do que produzimos, porque Mato Grosso ainda tem a população pequena”, disse.

 

“Isso fará com que esse governo e os próximos invistam na industrialização. Se não investimos para aproveitar nossa matéria-prima, fabricarmos nossos produtos e consumirmos aqui, perderemos muito. Precisamos ter essa visão de médio e longo prazo para investirmos em indústrias no Estado”, acrescentou.

 

Ela explicou que um conselho federal será responsável por decidir a carga tributária e disse temer que Mato Grosso seja sobrecarregado.

 

“Vamos ver a perspectiva do Governo Federal. Ficamos com serviços dependendo do conselho que terá soberania para definir alíquotas. Há uma expectativa que nada seja acima de 26,5%, mas há receio de que isso possa aumentar”, completou.

 

 





Fonte: Mídianews

Continue Reading

Política

Equipe econômica defende antecipar indicação ao Banco Central

Published

on


 

A equipe econômica vê a mudança de comando no Banco Central como uma espécie de segunda transição no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a primeira ocorreu quando o petista foi eleito, em 2022, e começou a definir seu ministério e medidas econômicas.

 

Assim como naquela época, a incerteza tem cobrado seu preço. Um auxiliar do ministro Fernando Haddad (Fazenda) avalia que o custo dessa segunda transição tem se refletido nos ativos e atribui cerca de R$ 0,15 na cotação do dólar fechada a R$ 5,604 nesta sexta-feira (19) à indefinição no comando do BC.

 

Antecipar a indicação do sucessor de Roberto Campos Neto cujo mandato na presidência do BC termina em 31 de dezembro seria, neste contexto, um passo na tentativa de reduzir o preço embutido nessa troca e dar, desde já, sinalizações importantes sobre o futuro da política monetária.

 

Na avaliação de pessoas do entorno de Haddad, hoje não há uma orientação clara nesse sentido, o que alimenta a preocupação dos agentes do mercado financeiro com a possibilidade de um BC mais leniente no combate à inflação em 2025. Isso se reflete na piora das expectativas de inflação e, em consequência, na trajetória dos juros.

 

Para suavizar a transição do comando do BC, Campos Neto defende que o governo Lula indique seu sucessor entre agosto e outubro. A decisão final, entretanto, dependerá do presidente da República.

 

Segundo a lei da autonomia do BC, em vigor desde 2021, cabe ao chefe do Executivo a indicação dos nomes para a cúpula da autoridade monetária. Posteriormente, os indicados precisam de aprovação na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) e no plenário do Senado Federal.

 

A ideia de iniciar mais cedo o processo de sucessão busca garantir que haja tempo hábil para que o indicado seja sabatinado pelos senadores antes do recesso de fim de ano.

 

Nos bastidores, o diretor Gabriel Galípolo (Política Monetária) é dado como praticamente certo para comandar o BC a partir de 2025. Foi um dos conselheiros de Lula na campanha presidencial de 2022 e atuou como número dois da Fazenda. Ele segue tendo canal direto com o petista, e seu nome conta com a simpatia de Haddad.

No mercado financeiro, também há a avaliação de que a transição do BC tem sido custosa.

 

Para Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor da autoridade monetária e presidente do conselho da Jive Investments, a preocupação cresce quando Lula ataca Campos Neto, a autonomia da instituição e diz que o patamar de juros ‘vai melhorar’ na próxima gestão.

 

Ele cita também como exemplo a possibilidade de o governo alterar os depósitos compulsórios dos bancos no próximo ano.

 

“Na minha visão, o BC teria conseguido reduzir para 9% os juros, talvez até um pouco menos, se não tivesse tanta incerteza fiscal e tanta incerteza sobre o futuro da política monetária. Essas duas coisas juntas fizeram com que o Banco Central parasse [a Selic] em 10,5% [ao ano]. Está claro que tem um custo grande”, afirma.

Em junho, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC interrompeu o ciclo de cortes de juros em um cenário de piora da perspectiva fiscal.

 

Aliados de Haddad reconhecem que os ataques de Lula à autonomia do BC também contribuem para ampliar a percepção de risco.

 

No entanto, a Fazenda vem fazendo um esforço para convencer o presidente de que criticar a autonomia da instituição não é o mesmo que condenar a postura de Campos Neto à frente do BC —que seria o verdadeiro objetivo de Lula.

 

Integrantes da equipe econômica e ministros da ala política têm o diagnóstico de que Campos Neto está politizando sua saída do Banco Central. Essa avaliação ganhou mais força após a participação do presidente do BC em jantar oferecido pelo governador em São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), no mês passado.

Segundo o Painel S.A., o chefe da autoridade monetária sinalizou na ocasião que aceitaria ser ministro da Fazenda caso Tarcísio entrasse na disputa pelo Palácio do Planalto e vencesse a eleição. Ele, entretanto, nega que tenha conversado com o amigo sobre um eventual cargo político após o fim de seu mandato no BC.

 

No governo Lula, há reclamações nos bastidores sobre os recados especialmente duros que Campos Neto tem dado quanto à política fiscal do governo, alimentando as expectativas mais pessimistas do mercado, na direção contrária do que busca o Executivo.

 

Segundo um interlocutor, em reunião com Lula no início de julho, membros da Fazenda alertaram o presidente de que é preciso defender a autonomia técnica do BC, deixando claro que isso não significa o mesmo que exercer uma autonomia ampla para inclusive agir de forma política no cargo, como o governo atribui a Campos Neto.

 

A incerteza sobre a atuação do BC em 2025 não se limita ao nome do futuro presidente. Além do sucessor de Campos Neto, Lula também terá que indicar até o fim do ano mais dois nomes para cargos nas diretorias da instituição.

 

Em 31 de dezembro, chegam ao fim os mandatos de Otavio Damaso (Regulação) e de Carolina de Assis Barros (Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta) –única mulher na cúpula da autoridade monetária atualmente.

 

Enquanto diversos nomes são citados na tradicional bolsa de apostas do mercado financeiro para o cargo máximo no BC, as especulações para as outras cadeiras que ficarão vagas são esparsas.

 

A partir do próximo ano, os indicados pela administração petista serão maioria no colegiado que decide sobre o rumo da política de juros do país –com sete dos nove membros.

 

Em entrevista à Folha, o economista-chefe do Citi Brasil, Leonardo Porto, afirmou que a troca de uma parcela significativa da diretoria é um componente que dificulta o processo de convergência das expectativas de inflação em direção à meta

 

“Estamos falando de 3 membros de 9. Vai mudar bastante, incluindo o presidente, que é a posição mais relevante ali. Toda mudança gera um aumento de incerteza um pouco maior e incerteza, usualmente, é cobrada via prêmio [de risco de investir no Brasil]”, diz.

 

Na equipe econômica, a expectativa é que essa incerteza seja debelada na medida em que o tempo passe e as condições se tornem mais favoráveis.





Fonte: Mídianews

Continue Reading

As mais lidas da semana