Mato Grosso

“Queima controlada” para pasto ou cultivos no Pantanal será tratada como crime até o fim do ano

Published

on


A prática de “queimas controladas” para manejo, seja para pasto ou para qualquer cultivo, em áreas da Amazônia, Cerrado e Pantanal está proibida e será criminalizada, ao menos até os últimos meses do ano.

A afirmação foi feita nesta segunda-feira (24) pela ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), Marina Silva, após a segunda reunião da sala de situação instalada pelo governo para tratar dos danos causados pela seca na Amazônia e pelas queimadas no Pantanal.

Para Amazônia e Cerrado, a restrição está válida até 30 de novembro. No caso do Pantanal, a data é 31 de dezembro.

Crise no bioma

De acordo com a ministra, o combate aos incêndios provocados será um dos principais focos de enfrentamento à seca no Pantanal – a mais grave em 70 anos.

Marina Silva ainda apontou os fatores responsáveis pela crise no bioma: além dos incêndios criminosos, a mudança climática e o agravamento do efeito prolongado dos fenômenos El Niño e La Niña. Ela mencionou também a influência do desmatamento: “os municípios que mais desmatam são também os mais atingidos pelos incêndios”, disse.

A sala de situação deve se reunir pela terceira vez esta semana, para avançar nas decisões práticas envolvendo vários ministérios: Meio Ambiente, Integração e Desenvolvimento Regional, Transportes, Planejamento e Orçamento, Justiça e Segurança Pública, Defesa e Comunicação Social.

Ida ao Pantanal

As ministras Marina Silva, do Meio Ambiente, e Simone Tebet, do Planejamento, vão liderar a comitiva que chega a Corumbá, em Mato Grosso do Sul, na próxima sexta-feira (28).

Corumbá está em uma das regiões que mais sofre com os incêndios. É um importante ponto logístico para as operações de enfrentamento às queimadas, recebendo equipamentos e equipes que atuam diretamente nos focos de incêndio.

O objetivo das ministras é entrar em contato com a realidade local e fazer reuniões com autoridades e representantes da sociedade.

Além da batalha contra as queimadas, o governo decidiu liberar um aporte imediato de mais de R$ 100 milhões para recompor cortes feitos pelo Congresso Nacional — que representaram 15% dos recursos previstos para a área ambiental.

Uma das preocupações é como salvar e acomodar animais selvagens. Em 2020, segundo informou o secretário de Controle de Desmatamento do Ministério do Meio Ambiente, André Lima, à CNN, foram incinerados 17 milhões de vertebrados no Pantanal por causa das queimadas.

Dados

Análise da ONG WWF-Brasil, segundo dados disponíveis do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), aponta que o Pantanal registrou 880 focos de queimadas em 2024, crescimento de quase 900% em comparação ao mesmo período do ano passado.

As chuvas também estão abaixo das médias históricas, o que afeta diretamente o ecossistema, possibilitando mais incêndios.

Já no bioma da Amazônia, dados do final do mês de maio dão conta de que a floresta enfrenta uma das maiores queimadas já registradas nos primeiros quatro meses do ano.

Mais de 12 mil quilômetros quadrados da floresta amazônica brasileira foram queimados entre janeiro e abril, o maior número em mais de duas décadas de dados compilados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

 



Mato Grosso

Bombeiros de MT continuam combate a quatro incêndios florestais no Estado neste domingo (21)

Published

on


O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso segue no combate a quatro incêndios florestais no Estado neste domingo (21.07).

Em Barão de Melgaço, militares combatem um incêndio às margens do rio Cuiabá, próximo à divisa com Poconé.

Em Cáceres são dois incêndios ativos, sendo um no Parque Estadual do Guirá e outro na região de Porto Conceição. No Guirá, a estratégia utilizada é o encharcamento dos focos ativos nas turfas com água; enquanto em Porto Conceição os militares estão divididos ao longo do Rio Paraguai fazendo combate direto e construção de aceiros para evitar a propagação das chamas.

Já ao sul do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense (Parna Pantanal) há um incêndio próximo à Fazenda Bélica, que faz divisa com Mato Grosso do Sul. Atuam equipes do Corpo de Bombeiros e brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Os brigadistas do ICMBio também combatem um incêndio dentro do Parna Pantanal, próximo a divisa com a Reserva Particular do Patrimônio Natural Estância Dorochê. O Corpo de Bombeiros monitora o incêndio via satélite.

Por fim, neste domingo, não há focos de calor detectados pelos satélites nas regiões de mineradoras em Nova Lacerda e Vila Bela da Santíssima Trindade. As regiões seguem em monitoramento pela corporação.

Estrutura

Somente no Pantanal atuam 38 bombeiros, oito funcionários da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), seis militares do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), cinco membros da Defesa Civil do Estado e um integrante do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Este efetivo conta com o apoio de um avião, um helicóptero, onze viaturas, nove máquinas para a construção de aceiros, quatro caminhões auto tanque e três embarcações.

Além disso, também participam das ações brigadistas do ICMBio e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e integrantes do Exército Brasileiro, Força Nacional, Marinha do Brasil e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

O Batalhão de Emergências Ambientais (BEA) faz o monitoramento de todos os incêndios florestais do Estado, via satélite, para orientar as equipes em campo.

A estiagem severa e a baixa umidade do ar têm contribuído para a propagação das chamas e o Corpo de Bombeiros pede que a população colabore e respeite o período proibitivo. A qualquer indício de incêndio, os bombeiros orientam que a denúncia seja feita pelos números 193 ou 190.

Incêndios extintos

O Corpo de Bombeiros já extinguiu oito incêndios florestais em Mato Grosso: quatro em Cuiabá, três em Chapada dos Guimarães e um em Poconé.

Focos de calor

Em Mato Grosso, foram registrados 146 focos de calor entre sábado (20.07) e domingo, conforme última checagem, às 16h15, no Programa BDQueimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Desses, 81 se concentram na Amazônia, 62 no Cerrado e três no Pantanal. Os dados são do Satélite de Referência (Aqua Tarde).

Importante ressaltar que o foco de calor isolado não representa um incêndio florestal. Entretanto, um incêndio florestal conta com o acúmulo de focos de calor.

Fonte: Governo MT – MT





Continue Reading

Mato Grosso

Bombeiros de MT continuam combate de quatro incêndios florestais no Estado neste domingo (21)

Published

on


O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso segue no combate de quatro incêndios florestais no Estado neste domingo (21.07).

Em Barão de Melgaço, militares combatem um incêndio às margens do rio Cuiabá, próximo à divisa com Poconé.

Em Cáceres são dois incêndios ativos, sendo um no Parque Estadual do Guirá e outro na região de Porto Conceição. No Guirá, a estratégia utilizada é o encharcamento dos focos ativos nas turfas com água; enquanto em Porto Conceição os militares estão divididos ao longo do Rio Paraguai fazendo combate direto e construção de aceiros para evitar a propagação das chamas.

Já ao sul do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense (Parna Pantanal) há um incêndio próximo à Fazenda Bélica, que faz divisa com Mato Grosso do Sul. Atuam equipes do Corpo de Bombeiros e brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Os brigadistas do ICMBio também combatem um incêndio dentro do Parna Pantanal, próximo a divisa com a Reserva Particular do Patrimônio Natural Estância Dorochê. O Corpo de Bombeiros monitora o incêndio via satélite.

Por fim, neste domingo, não há focos de calor detectados pelos satélites nas regiões de mineradoras em Nova Lacerda e Vila Bela da Santíssima Trindade. As regiões seguem em monitoramento pela corporação.

Estrutura

Somente no Pantanal atuam 38 bombeiros, oito funcionários da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), seis militares do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), cinco membros da Defesa Civil do Estado e um integrante do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Este efetivo conta com o apoio de um avião, um helicóptero, onze viaturas, nove máquinas para a construção de aceiros, quatro caminhões auto tanque e três embarcações.

Além disso, também participam das ações brigadistas do ICMBio e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e integrantes do Exército Brasileiro, Força Nacional, Marinha do Brasil e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

O Batalhão de Emergências Ambientais (BEA) faz o monitoramento de todos os incêndios florestais do Estado, via satélite, para orientar as equipes em campo.

A estiagem severa e a baixa umidade do ar têm contribuído para a propagação das chamas e o Corpo de Bombeiros pede que a população colabore e respeite o período proibitivo. A qualquer indício de incêndio, os bombeiros orientam que a denúncia seja feita pelos números 193 ou 190.

Incêndios extintos

O Corpo de Bombeiros já extinguiu oito incêndios florestais em Mato Grosso: quatro em Cuiabá, três em Chapada dos Guimarães e um em Poconé.

Focos de calor

Em Mato Grosso, foram registrados 146 focos de calor entre sábado (20.07) e domingo, conforme última checagem, às 16h15, no Programa BDQueimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Desses, 81 se concentram na Amazônia, 62 no Cerrado e três no Pantanal. Os dados são do Satélite de Referência (Aqua Tarde).

Importante ressaltar que o foco de calor isolado não representa um incêndio florestal. Entretanto, um incêndio florestal conta com o acúmulo de focos de calor.

Fonte: Governo MT – MT





Continue Reading

Mato Grosso

Thommy Schiavo: o que se sabe e o que falta esclarecer sobre morte

Published

on


O ator Thommy Schiavo morreu aos 39 anos no sábado (20) ao se desequilibrar e cair da sacada do prédio em que morava, em Cuiabá, segundo confirmou a Polícia Civil. Confira abaixo tudo o que já se sabe sobre o caso e o que ainda não foi esclarecido pelas autoridades.

Schiavo ficou conhecido, principalmente, por interpretar o peão Zoinho no remake da novela “Pantanal”, de 2022. Ele protagonizou a cena de um beijo gay, um dos poucos da teledramaturgia brasileira, com o ator Silvero Pereira no último capítulo do folhetim.

A morte do ator foi confirmada ainda no sábado pela família dele e logo depois comentada por amigos artistas famosos.

Pouco depois da confirmação, a Polícia Civil informou à CNN que o artista morreu após se desequilibrar e cair de uma altura de quatro metros do prédio de dois andares onde morava em Cuiabá, no estado do Mato Grosso. Ele foi encontrado no chão, sem ferimentos externos, pelo Samu.

As autoridades também informaram que Schiavo estaria bebendo com amigos em um estabelecimento próximo à residência minutos antes.

Apesar das informações oficiais fornecidas, a polícia não esclareceu até o momento o que teria levado o ator a se desequilibrar. A altura de apenas quatro metros também não foi ponto de mais investigações — se ele teria caído em alguma posição específica que contribuiu para o desfecho fatal, por exemplo.

O velório e o enterro do artista ocorreu na tarde deste domingo (21) no interior de São Paulo.

 



Continue Reading

As mais lidas da semana