Mato Grosso

Entenda por que helicópteros da PF podem ser doados para o Paraguai

Published

on


Um projeto do Poder Executivo, que autoriza a doação de dois helicópteros da Polícia Federal (PF) para o Paraguai, seguirá ao Senado.

A proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara na última quarta-feira (3).

Qual o modelo das aeronaves?

Serão duas unidades do modelo 412 Classic, da empresa Bell Aircraft.

Algum reparo será feito antes da doação?

Não, os helicópteros serão doados em seu estado atual de conservação.

A quem as as aeronaves pertencem?

As aeronaves estão registradas na Agência Nacional de Aviação Civil sob as matrículas PT-HRG e PT-HRH e pertencem à frota do Comando de Aviação Operacional da Polícia Federal do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Quais são os objetivos da doação?

Os helicópteros serão utilizados no monitoramento da fronteira entre os dois países.

Está previsto ainda o estreitamento da cooperação policial em âmbito bilateral, em ações de prevenção e repressão a crimes transfronteiriços.

Quem vai arcar com os custos?

Caberá à PF arcar com os gastos do trajeto Brasília-Foz do Iguaçu (PR), onde ocorrerá a transferência para o Paraguai. A medida vai custar R$ 103,6 mil para os cofres públicos, que sairão do orçamento da PF.

Serão de responsabilidade do Paraguai a realização dos procedimentos necessários ao ingresso das aeronaves doadas em seu território e a execução das medidas necessárias à sua regularização.

Quais são as expectativas quanto à doação?

Em seu relatório, o então ministro da Justiça e Segurança Pública e atual senador Sergio Moro (União-PR) diz que a expectativa do Estado brasileiro é “que a doação possa contribuir para a ampliação da capacidade operacional do país vizinho nos trabalhos de fiscalização de suas fronteiras com o Brasil e, consequentemente, elevar a eficácia no combate à criminalidade organizada transnacional”.

Qual é o grande obstáculo para o policiamento na região?

O documento assinado por Moro cita ainda a extensão da fronteira Brasil-Paraguai como um fator que dificulta a fiscalização eficaz. Menciona também os crimes de tráfico de armas, tráfico de drogas, contrabando e descaminho que ocorrem há décadas na região, como ficou constatado pela CPI das Armas da Câmara dos Deputados, em 2005.

Onde começa e onde termina a fronteira Brasil-Paraguai?

A zona limítrofe entre os dois países se inicia na Ponte Internacional da Amizade e no Marco das Três Fronteiras, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, no estado do Paraná, e se estende até a tríplice fronteira com a Bolívia, região próxima às cidades de Bahia Negra e Corumbá, no estado do Mato Grosso do Sul.

Qual é a extensão da divisão entre os dois países?

De acordo com a Fundação Alexandre Gusmão (FUNAG), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores, Brasil e Paraguai possuem 1.365,40 km² de extensão fronteiriça total, dos quais 928,50 km² se dão por linha seca, e outros 436,90 km² por divisores de águas.



Mato Grosso

Ex-presidente do PSDB em SP quer prévias com Datena: “Tenho direito de ser candidato”

Published

on


Depois da debandada de vereadores, o PSDB de São Paulo está prestes a enfrentar uma nova prova de fogo. O ex-presidente municipal do partido, Fernando Alfredo, decidiu reunir militantes para tentar enfrentar o apresentador José Luiz Datena na convenção partidária marcada para o próximo sábado (27).

A notícia vem em meio a incertezas sobre o aporte financeiro do partido para a candidatura de Datena.

A sigla vai receber R$ 127 milhões do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, mas fontes ouvidas pela CNN falam em “repasse modesto” para o apresentador de TV.

Isso porque o PSDB teria outras prioridades. Além dos três estados que governa, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Mato Grosso do Sul, o partido deve se concentrar em outros locais, como Curitiba — onde o ex-governador Beto Richa deve ser candidato — e algumas cidades no interior do estado de São Paulo.

“Como ele é milionário, queremos saber se ele vai bancar a própria campanha com o dinheiro dele e deixar os recursos do fundo eleitoral para os candidatos a vereadores”, questionou Fernando Alfredo à CNN.

A ideia do novo oponente de Datena é levar cerca de mil filiados para a convenção e apresentar um manifesto para enfrentar o apresentador.

“O que eu quero debater com o Datena é o que ele pensa sobre a cidade de São Paulo. A gente não sabe qual a avaliação dele dos governos [José] Serra, [João] Doria e Bruno [Covas]. Qual a proposta que ele tem pra cidade? Nem programa de governo ele tem”, diz Alfredo.

O ex-presidente do PSDB era do grupo que defendia o apoio ao prefeito Ricardo Nunes (MDB), que saiu derrotado. A decisão por não fazer a aliança deixou o PSDB ainda mais enfraquecido, com a perda de oito vereadores e um secretário municipal.

O apresentador deve ter cerca de 26 segundos de tempo de televisão e apenas cinco inserções diárias, segundo especialistas ouvidos pela CNN.

“A ideia é que a gente apresente na convenção o meu nome para o partido apreciar. Se ele topar debater comigo e as propostas que ele apresentar me convencerem, ele será meu candidato. Do contrário, tenho direito de também ser”, afirmou Alfredo à CNN.

Militante da zona norte da cidade, Fernando Alfredo era amigo e aliado de Bruno Covas. Ele se tornou presidente do PSDB durante a gestão de Covas na prefeitura de São Paulo.

Procurada pela CNN, a campanha de Datena disse que não iria se manifestar sobre esse assunto.

Horas depois, no entanto, o pré-candidato compartilhou um vídeo nos stories do Instagram em que Datena critica Nunes por estar supostamente usando militantes do PSDB contra ele.

“Olha, não adianta esse desesperado do prefeito Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, usar os empregadinhos dele do PSDB — já deviam ter ido junto com os que foram – para tentar atrapalhar a nossa convenção. Aliás, tudo que acontecer fora da curva e com violência na nossa convenção, vai ser culpa do Ricardo Nunes”, disse o apresentador na postagem.

A CNN questionou a assessoria de Ricardo Nunes sobre as falas de Datena e aguarda resposta.



Continue Reading

Mato Grosso

Ex-marido é preso suspeito de encomendar a morte de filha de deputado em MT

Published

on


O ex-marido de Raquel Maziero Cattani, filha do deputado estadual de Mato Grosso, Gilberto Cattani, e o irmão dele foram presos pelo assassinato da produtora rural, na tarde da última quarta-feira (23), em Lucas do Rio Verde, no norte do estado.

Classificados como mandante e executor do crime, o ex-marido da vítima, Romero Xavier, e o irmão dele, Rodrigo Xavier, irão responder por homicídio qualificado. O assassinato de Raquel aconteceu na propriedade rural da família da vítima, em Nova Mutum (MT).

Além de assassinar Raquel, o irmão de seu ex-marido interferiu na cena do crime para confundir os investigadores, de modo que parecesse um assalto. A prisão do de Romero ocorreu pouco depois de a Polícia Civil ter divulgado que havia descartado a participação dele no caso.

Investigações e Prisão

“Analisamos todas as imagens do comércio da vila, das cidades vizinhas, como São José do Rio Claro e Tapurah e entrevistamos mais de 150 pessoas, desde vizinhos, moradores do assentamento e trabalhadores ao longo desses seis dias”, explicou o delegado responsável pela investigação, Guilherme Pompeo.

O delegado ainda relatou que, durante as investigações, um dos agentes notou um arrombamento na janela do quarto dos filhos e Raquel. Logo, a Perícia Oficial e Identificação Técnica de Mato Grosso foram solicitadas para extração de possível impressões digitais.

Diante da possibilidade de uma cena do crime armada, os investigadores voltaram sua atenção a Romero, que mantinha comportamento possessivo e não aceitava o término da relação com a vítima.

Rodrigo, irmão de Romero, tinha diversas passagens por furtos e outros crimes, além de ter sido usuário de drogas no passado e, ao ser chamado para depor, o suspeito se esquivou das perguntas e apresentou inconsistências na versão dos fatos, de acordo com os agentes.

Por fim, equipes da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos e da Regional de Nova Mutum foram até a casa de Rodrigo, localizada no norte do Mato Grosso. Durante a conversa, ele ficou nervoso com a presença da polícia.

No imóvel, as equipes observaram um frasco com perfume feminino, em cima de uma bancada. Com a evidência encontrada pela Polícia Civil, Rodrigo confessou o assassinato, a mando do irmão, e disse que montou a cena para simular um latrocínio.

*Sob supervisão de Bruno Laforé



Continue Reading

Mato Grosso

Escola de Governo de MT promove capacitação com foco em processos gerenciais na administração pública

Published

on



Mato Grosso6 horas atrás

Escola de Governo de MT promove capacitação com foco em processos gerenciais na administração pública
A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MT), por meio da Escola de Governo, disponibiliza 300 vagas para a capacitação Noções de Gestão Pública Gerencial….



Continue Reading

As mais lidas da semana